sábado, 17 de dezembro de 2016

A platitude ou a mediocridade também não serão um hábito?!...


Algum tempo depois de ter publicado o último post, cujo tema central se situava em torno de oportuna crónica de Rui Santos, em que este escalpelizava, a meu ver de forma assertiva, aquilo que designou por "virulência dialéctica" do presidente do Sporting CP, deparei no blog leonino "És a Nossa Fé", com este texto de Pedro Correia, intitulado "Contra tudo quanto mexe":

«Já escrevi aqui e repito: Bruno de Carvalho faz muito mal em funcionar como assessor de imprensa de si próprio. O principal erro do Sporting desde que ele assumiu a presidência tem sido a vertente comunicacional, com o presidente a expor a todo o momento o corpo às balas nas mais diversas questões. E por vezes a falar primeiro e a reflectir depois.

Voltou a acontecer esta semana, com o líder leonino a disparar contra tudo quanto mexe - desde o TAD português por ter suspendido uma medida disciplinar contra Luís Filipe Vieira aos mais fanáticos comentadores que seguem religiosamente a cartilha do Benfica nas segundas-feiras televisivas, concedendo-lhes assim uma propaganda adicional que eles só podem agradecer-lhe, sem esquecer o Supremo Tribunal da Suiça, que entendeu não contrariar a decisão anterior do TAD europeu a propósito do famigerado caso Doyen. Neste caso, note-se, estava em causa a moldura jurídica anterior à actual, mais restritiva. Entretanto, tudo quanto se vai tornando público sobre a Doyen deixa mais evidente que estamos perante um enorme poço com muitos e nada recomendáveis fundos.

Não contente com a decisão da justiça civil suíça, aliás mais do que expectável em função da prática jurisdicional daquele órgão, Bruno de Carvalho entendeu abrir esta semana uma quarta frente de batalha - algo que Sun Tzu, autor do clássico A Arte da Guerra, certamente lhe desaconselharia. E desta vez contra a FPF, em termos impróprios, a partir de uma leitura apressada de uma "notícia" surgida no único jornal que vem fazendo eco das teses do Benfica na polémica contabilização de títulos de campeão nacional da modalidade.

Esse jornal, puxando uma vez mais a água ao moinho encarnado, "noticiou" que a FPF dera razão ao SLB nesta controvérsia, quando o que se passou foi bem diferente: no âmbito da remodelação do seu sítio noticioso na internet, a FPF entendeu republicar as listas de vencedores que tinham sido anteriormente estabelecidas, sem se pronunciar sobre a questão. Algo que poderá mudar em breve, julgo saber, se o Porto se juntar ao Sporting na reivindicação de que os vencedores do Campeonato de Portugal entre 1922 e 1938 sejam integrados na extensa lista de campeões nacionais.

O presidente leonino precipitou-se ao ler no falacioso título d'A Bola que a polémica tinha sido "resolvida pela Federação". Tudo quanto disse em função disso foi excessivo e deslocado. E não serve os interesses do Sporting: viver rodeado de inimigos, reais ou imaginários, constitui uma péssima carta de recomendação.

Uma vez mais, estamos perante um problema de comunicação. Que só existe porque Bruno de Carvalho persiste em aparecer a todo o tempo a pronunciar-se sobre quase tudo. Por vezes não chega sequer a poupar-se a si próprio. "Sinto-me um pouco aquele doido que está à janela", disse também nesta semana em que não conseguiu permanecer calado.

Espero que a tranquilidade da quadra natalícia lhe permita reflectir melhor em tudo isto. Porque o destempero verbal só o prejudica. E, deste modo, também o Sporting sai lesado.»

Concluída a leitura, dei por mim em amarga reflexão, sobre um tema que ao longo de todo o mandato de um presidente que apoiei, ajudei a eleger e, embora cada vez mais crítico, continuo a entender como uma boa solução para o Sporting, demasiadas vezes tenho aqui trazido, para verberar a sua doentia, quiçá tresloucada, atitude comunicacional que, para além dos óbvios prejuízos que tem trazido ao Clube que lidera, acaba por arrastar, ainda que indirectamente, para um clima de permanente guerrilha o próprio fantástico e quase incondicional universo leonino.

E recuei muitos, muitos anos... E vi-me jovem e apaixonado pela aprendizagem do porquê das coisas, defronte de um velho e saudoso professor que, no final de uma aula, um dia me explicou que "a excelência não passava de um hábito" que estaria ao alcance de todos criar, atirando-me para as ventas com um nome esquisito, que mais tarde e por influência desse velho mestre viria a ser familiar para mim: Aristóteles.

Nunca me disse tal, o saudoso mestre, mas hoje, no meio da minha reflexão, cheguei a interrogar-me sobre se...

A platitude ou a mediocridade também não serão um hábito?!...

Leoninamente,
Até à próxima

8 comentários:

  1. roubado aos comunistas

    quem luta, amarga derrotas e pode não ganhar a primeira batalha...
    quem não luta é humilhado e nem uma única vez consegue ganhar.

    lutar... essa qualidade cada vez mais em extinção.

    o sistema está podre e vai cair.
    O futuro é nosso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desafio o caro "aminhatvpifou" a apontar onde no meu texto alguma vez foi colocada em causa, implícita ou explicitamente, a necessidade de lutar, lutar sempre e com coragem e denodo, pela verdade e pelos nossos ideais.

      Meu caro, a minha luta é só uma: "... que cessem as palavras e falem as obras"!...

      Eliminar
  2. Do ponto de vista estratégico não é aconselhável abrir muitas frentes de batalha. sim, até ai tudo bem. mas ouso perguntar a quem acha que o nosso presidente fala demais, qual destes temas o nosso presi não deveria ter falado esta semana:

    1 termos sido roubados na luz
    2 termos perdido o caso doyen
    3 os dois pesos e medidas com que a FPF encara a atribuição de títulos em Portugal
    4 o elogio à posição lúcida do Toni
    5 a forma diferenciada e vergonhosa como os seus castigos e do nosso médico são tratados, versus o homem dos pneus.

    não creio que o Sporting esteja em guerrilha. a pergunta que deveremos fazer é que tipo de Sporting é que queremos? O do Roquetismo? um híbrido entre aquilo que o Porto foi e o Benfica é hoje? um clube fachada que seja comprado por um magnata qq do petróleo? (e esperar que nunca se divorcie) Ou outra coisa qualquer?

    O Sporting pode ter perdido o caso Doyen,mas numa semana em que se soube que organizaram festas com prostitutas para o florentino, fico muito feliz pelo Sporting os ter mandado ir pastar para bem longe.



    António

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Respondo ao caro António, ponto por ponto e segundo a reacção que desejaria ter visto no nosso "presi":

      1 - "Assistimos a uma grande arbitragem. Parabéns a Jorge Sousa".
      2 - "O Sporting sempre cumpriu e cumprirá as decisões da Justiça.
      3 - O Sporting fará chegar junto da FPF, no tempo próprio e através dos meios que julgar mais adequados, a sua posição sobre a matéria".
      4 - Nenhum reparo ás declarações de BdC, mas gostaria de ter ouvido BdC dizer, em alternativa: "Toni pensa exactamente o que pensei no fim do jogo. Parabéns a Jorge Sousa"!...
      5 - "O Sporting fará chegar junto da FPF, no tempo próprio e através dos meios que julgar mais adequados, a sua posição sobre a matéria".

      Roquettismo, hibridismo, clube de fachada ou outra coisa qualquer, nunca mais! Sporting digno, inteligente, sagaz, arguto, corrosivo e a falar apenas e com voz grossa, quando e onde preciso para ser respeitado e jamais como mote do anedotário nacional, SEMPRE, SEMPRE, SEMPRE!...

      As "festas da Doyen com as prostitutas para o Florentino", jamais deverão ser matéria para regozijo e celebração dos sportinguistas! À lama dos outros deveremos responder com silencioso desprezo!...

      Eliminar
    2. Caro Álamo,

      Permita-me analisar a resposta ao ponto 1.
      Penso que já deu para perceber pelas noticias de hoje que, falando de forma sarcástica ou de forma agressiva, haveria sempre uma nota 8.6 para o Sousa.
      Por isso prefiro que BdC e toda a estrutura se pronunciem de imediato chamando os bois (lampiões e árbitros) pelos nomes de gatunos (que não chamou infelizmente).

      Só assim, de forma dura, foi possível ver os lances analisados de outra forma que não a da BTV, dos Rolas desta vida e de todos os lampiões da CS.
      Só assim foi possivel ver gente digna de outros tempos como Toni, a dizer que o árbitro errou e teve influência.
      Só assim foi possivel ver os dois pesos e duas medidas das decisões do Sousa que lhe deram uma maravilhosa nota 8.6 e 3 pontos aos lampiões vs. decisão de ontem do Paixão (correcta a meu ver) e que deu mais 3 pontos aos lampiões...

      O que critico nesta Direcção foi a forma como nos tentámos aproximar dos árbitros no princípio da época quando sabemos que são na sua maioria produtos do Benfica lab e estão vendidos aos vouchers.

      Voltamos mas é aos tempos de Dias da Cunha e dos enterros do campeonato pois até já morreu.

      Eliminar
  3. Off-topic: alguém me pode dizer porque o lance de mão na bola ou de bola na mão do jogador do Estoril foi penalti e os dois lances de mão na bola dos benfas não foram penaltis? Esta largueza de subjetividade na interpretação dos árbitros dá aso à construção de vitórias e de campeões de forma espúria!

    ResponderEliminar
  4. Respondo-lhe a si e ao caro Álamo.

    Portanto o caro Álamo gostava que o presidente do Sporting tivesse a força e o sangue na guelra do Bruno de Carvalho com a suplesse e diplomacia do Rogério Alves. assim um mix de ambos mas só as qualidades... Pois, não há! Eu também gostava que o meu filhote só tivesse as qualidades do pai e as qualidades da mãe, mas ele, vai ser qualquer outra coisa, para o bem e para o mal.

    Agora, bom ou mau, fale muito ou pouco, alguém tem dúvidas que se nós fizéssemos 100 pontos na época passada os outros não fariam 102? Alguém acredita que se Bruno de Carvalho respondesse como o Álamo queria, o penalty de hoje no Estoril não era marcado e os nossos eram?

    Pois...

    António

    ResponderEliminar
  5. >>"ajudei a eleger e, embora cada vez mais crítico, continuo a entender como uma boa solução para o Sporting, demasiadas vezes tenho aqui trazido, para verberar a sua doentia, quiçá tresloucada, atitude" - Álamo

    Sigo, há anos, diversos programas televisivos espanhois dedicados ao futebol. E, há pelo menos 3 anos, vejo (assistimos todos, na Peninsula e na América onde estes programas são vistos em directo) jornalistas e ex-futebolistas, todos eles afectos ao Atletico de Madrid e ao Barcelona, predizerem o declínio e decadência de Cristiano Ronaldo. É uma moda. Dizer mal do Cristiano está em alta, é politicamente correcto, tanto ou mais como dizer bem do Messi. Quase todos os dias jornalistas/analistas/ex-futebolistas simpatizantes de Atletico de Madrid e Barcelona dizem algo de negativo do Cristiano, e quase todas as semanas muitos predizem e lançam aos 4 ventos que o CR7 está acabado.

    Alguém já o disse, o conto dos cobardes que atacam o Cristiano Ronaldo é o conto do João e o Lobo...INVERTIDO. Tanto gritou João que vinha aí o Lobo que deixaram de acreditar nele; com o melhor jogador português de todos os tempos, os oportunistas tanto gritam que ele está em decadência que, NUM OU NOUTRO JOGO, eles têm razão.

    O conto do João e o Lobo invertido é TAMBÉM o paradigma dos que criticam o BdC. Tanto dizem que ele faz/fez isto ou aquilo, que é um "destemperado" e "impulsivo", que de facto, num ou noutro episódio, o BdC quase prova que têm razão.

    Quem não gosta (por princípio, e pela origem do BdC) do presidente do Sporting não pára de dar tiros. São tiros às dezenas, sempre à espera de acertar em cheio. Não é preciso grande inteligência e pontaria para conseguir ALGUMA VEZ, ALGUM DIA, dar um tiro em cheio no BdC, e alegremente os anti-BdC vão dando os seus tirinhos oportunistas e cobardes.

    É curioso...em dois dias duas referências a dois contorcionistas desonestos que têm as suas agendas bem definidas - RS e PC (És a Nossa Fé).

    BdC, meus caros, é a pessoa certa no momento certo e terrível que o Sporting atravessava e atravessa. Num período conturbado como o actual, num futebol em que a corrupção do clube de carnide tudo mexe, num período em que a FIFA e a UEFA se debatem com lutas internas e uma corrupção impossível de esconder, num período em que foi posto a nu a influencia perigosa de pessoas como Jorge Mendes e instituições como a Doyen...BdC é a pessoa certa e com capacidade de ir à luta.

    BdC comete erros. Podia não cometer esses erros. Está, por vezes, mal aconselhado. Deve afinar a estratégia melhor e estabelecer a sua própria máquina de comunicação (sem mentiras nem ligações perigosas).

    Mas não é por culpa do BdC que o Sporting não é campeão. E não é por sua culpa que o Sporting não tem sido respeitado.

    A culpa, sempre, é primariamente do sistema, ao qual o Sporting não pertence (felizmente).

    A culpa é, também, de todos os que escondem as facas atrás do que escrevem e dizem...e as espetam nas alturas mais oportunas. A culpa é, também, dos Sportinguistas ULTRAPASSADOS que vivem nas nuvens do passado e não veem o sistema corrupto e perigoso que sustenta o futebol português.

    Precisávamos de um presidente guerrilheiro. Temo-lo. Vai ter sucessos e vai cometer erros. Mas não se vai esconder. Não vai meter a cabeça na areia cheio de medo. Tem espinha, assume-se, para o bem e para o mal.

    Pessoas como Pedro Correia, Rui Santos e os escribas do Record são os piores inimigos do Sporting...e de BdC.

    Termino dizendo que estas "pessoas" fazem (gratis...) o serviço TODO ao clube de carnide. É melhor que acordemos para essa realidade e nos deixemos de pruridos na defesa do Sporting e do seu presidente. Dispensados disso estão todos aqueles que não gostam do BdC, por principio, designio, agenda...ou por amizade com algo ou alguém.

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE