quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Vejo o Supremo com os olhos de S. Tomé!...


Brincar com o futebol

«Apesar da vitória no Bessa, a brincadeira dos craques do FC Porto, subtraídos à equipa por Conceição, podia ter custado cara aos dragões. Profissionais de futebol dignos desse nome não podem facilitar desta maneira. Entendo que os aniversários de família têm de ser celebrados, mas há horas para tudo. Não tem de ser pela noite dentro.

As claques também continuam a brincar com as finanças dos clubes. Ontem soube-se que uma tocha lançada em Alvalade custou 15 mil euros ao Sporting. A ideia de que apoiar é fazer pirotecnias e gastar dinheiro a quem supostamente se galvaniza é curiosa. Tivessem os três grandes no banco o dinheiro que já gastaram com parvoíces, estas e outras, e tudo seria diferente.

José Gomes é o novo treinador do Marítimo e Nuno Manta do Aves. Também aqui há quem brinque com o futebol. Neste caso quem manda. A facilidade com que se troca de treinador em Portugal é chocante. Tanto como a falta de convicção de quem os contrata. É mais fácil quando é dinheiro do clube e não do próprio bolso.

Também há tribunais a brincar com coisas sérias. A decisão sobre o Benfica é apenas triste. Felizmente o Supremo tem sido inflexível. Até ao dia em que seja incapaz de limpar tanta brincadeira. Estas com as nossas vidas.»
(Bernardo Ribeiro, Saída de Campo, in Record, hoje às 00:48)


Depois de conseguir "descobrir o caminho marítimo' para o controle absoluto de todas as instâncias da justiça portuguesa a montante do Tribunal da Relação de Lisboa, o Benfica, no que a esta até agora insuspeita instância dirá respeito, também já terá chegado à sua Calecute, com a declarada e histórica intenção de "buscar cristãos e especiarias". E que cristãos e que especiarias! Cristãos, crentes e papalvos seremos nós todos e quanto a especiarias estaremos bem mais de que conversados...

Mais do que "triste", como entendeu assinalar bem e definir de forma tão ligeira e contemporizadora, Bernardo Ribeiro, vergonhoso será o que os juízes de tal instância de recurso se permitiram exarar no último acordão desse tribunal, que deveriam honrar e dele ser dignos de pertencerem. Inimaginável e inadmissível a desfaçatez com que alguns magistrados se deixam enlear em tão tenebrosas  e horripilantes malhas, como se a "unção dos santos óleos" lhes pudesse algum dia permitir julgar por estúpida toda a restante e maioritária componente do povo que os pariu. Pois que regressem todos à origem, para falar bem, depressa e com a indignação que nos assiste!...

Diz Bernardo Ribeiro que "felizmente o Supremo tem sido inflexível". Compreendo a sua posição como director do jornal Record. Mas sobrar-me-ão tantas reservas sobre aquilo que alimenta a sua convicção, quantas as certezas que em mim serão cada dia maiores, sobre a capacidade do Benfica em continuar a navegar, impune e inimputavelmente, rumo à sua Índia! Infelizmente, como acontecerá com milhões de portugueses, esbracejando impotente neste mar de corrupção...

Vejo o Supremo com os olhos de S. Tomé!...

Leoninamente,
Até à próxima

1 comentário:

  1. quando se relembra a Constituiçao....é lixado...de facto..o slb manda nisto tudo...cumprindo a consituicao...entretanto as claques legais...la vao cumprindo a lei...ilegal..mas siga..a juveleo ja atualizou os membros este mes e enviou par aio ipdj??

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE