terça-feira, 26 de novembro de 2019

Quem não puder rir, que chore!...


Tribunal chama jogadores do Sporting a depor em dia de jogo
Jogadores do Sporting serão ouvidos no âmbito do julgamento do processo do ataque à Academia de Alcochete.


A juíza Sílvia Pires terá enviado notificações para os jogadores do Sporting para serem ouvidos no Tribunal de Monsanto, no âmbito do julgamento do processo do ataque à Academia Sporting, em Alcochete.

Na segunda-feira, dia 2 de Dezembro, estava previsto que Wendel fosse ouvido da parte da tarde. No dia seguinte, Mathieu deverá prestar declarações de manhã e à tarde será a vez de Marcos Acuña e Rodrigo Battaglia. No dia 4 estarão quatro jogadores em tribunal: Luís Maximiano e Coates de manhã e Ristovski e Bruno Fernandes da parte da tarde.

Contudo, é importante referir que o Sporting tem dois jogos frente ao Gil Vicente - para campeonato e Taça da Liga - agendados para os dias 1 e 4 de Dezembro, sendo até possível que permaneça no norte do país no intervalo entre as duas partidas. Não é, por isso, claro qual será o procedimento a adoptar pelo Sporting e os referidos jogadores com depoimento marcado para as datas referidas.

Perante este cenário, o Sporting deverá ter de informar de imediato o Tribunal de que os jogadores não estarão em Lisboa no início da próxima semana, procurando assim que seja reagendada a sua comparência...
(retirado do jornal O Jogo, hoje às 16:09)

Quem não puder rir, que chore!...

Leoninamente,
Até à próxima

3 comentários:

  1. Ainda vão presos e obrigados a indemnizar os "donos do clube"!

    ResponderEliminar
  2. Só vem provar o estado da nossa justiça. Bastava contactar com antecedência o nosso clube para aquilatar da disponibilidade dos jogadores em função da agenda desportiva.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ode à Justiça de hoje em Portugal

      "Alma minha gentil, que te partiste
      Tão cedo desta vida descontente,
      Repousa lá no Céu eternamente
      E viva eu cá na terra sempre triste.

      Se lá no assento etéreo, onde subiste,
      Memória desta vida se consente,
      Não te esqueças daquele amor ardente
      Que já nos olhos meus tão puro viste.

      E se vires que pode merecer-te
      Alguma cousa a dor que me ficou
      Da mágoa, sem remédio, de perder-te,

      Roga a Deus, que teus anos encurtou,
      Que tão cedo de cá me leve a ver-te,
      Quão cedo de meus olhos te levou."

      Luís de Camões

      Eliminar

PUBLICIDADE