terça-feira, 19 de novembro de 2019

Para gáudio e orgasmos múltiplos do jornalismo tuga!...

Foto retirada do jornal Record
Processo do ataque à Academia do Sporting: Seis guardas da GNR ouvidos hoje
Prosseguem os trabalhos no Tribunal Criminal de Lisboa

Depois de no primeiro dia terem sido recolhidas apenas as declarações de Bruno Jacinto, antigo oficial de ligação aos adeptos leoninos, que terá acrescentado um novo e importante dado ao processo ao afirmar ter informado na véspera da invasão o então director-geral do Sporting André Geraldes, de que elementos da claque Juventude Leonina se iriam deslocar à Academia, em Alcochete, prossegue hoje, a partir das 09:30, no Tribunal Criminal de Lisboa, com o colectivo de juízes a ouvir os depoimentos de seis agentes da Guarda Nacional Republicana – três de manhã e três à tarde -, que terão estado na Academia dos leões a 15 de Maio de 2018 e participado na captura de alguns dos elementos responsáveis pelos desacatos.

Quanto às restantes incidências do primeiro dia, nada de novo e relevante: apenas a enésima revisita aos factos e lugares que envergonham o Sporting e  que todo o mundo já conhecerá de sobejo. Apenas a Justiça terá tantas dúvidas que por muito tempo se assistirá ainda a tão folclórica procissão mediática...

Para gáudio e orgasmos múltiplos do jornalismo tuga!...

Leoninamente,
Até à próxima

2 comentários:

  1. Para mim, o novo e importante facto que fiquei a conhecer ontem foi de que o Bruno Jacinto omitiu à PSP, antes do ataque acontecer, que tinha conhecimento de tal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estaria de acordo com DS, se porventura Bruno Jacinto ocupasse na hierarquia uma posição diferente, não subalterna. No caso limitou-se a dar conhecimento e a meu ver bem, a quem de direito e deixar para quem tinha essa responsabilidade o dever de dar conhecimento à PSP. Nunca o "carro deverá andar à frente dos bois", no meu entendimento. Pretender agora, um ano e meio depois dos acontecimentos, transferir a responsabilidade maior para quem não a tinha, parece-me abusivo e flagrante e intencionalmente desculpabilizador! Haverá que chamar os bois pelos nomes...

      Eliminar

PUBLICIDADE