quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Pura demagogia que os sportinguistas já conhecem de ginjeira!...


Como sportinguista atento ao "pec" - processo eleitoral em curso - que vai decorrendo com poucas ou nenhumas surpresas em Alvalade, reconhecendo a contribuição positiva que a candidatura - mais ou menos corajosa ou mais ou menos movida pelo vapor de interesses apócrifos - de Pedro Madeira Rodrigues emprestou à vida democrática do Sporting CP, há muito que por aqui referi a minha convicção profunda, face ao contexto actual e a todas as implicações determinadas pelo mandato do antecessor, da completa impossibilidade do candidato vir a ser o próximo presidente do Clube.

E esta minha convicção tem vindo a ser reforçada em cada dia pelo comportamento do candidato, que tem piorado ainda mais, em cada palavra e em cada gesto, a sua já de si difícil situação. PMR faz-me lembrar aquele lavrador em permanente súplica perante os deuses, para que lhe concedam em simultâneo o privilégio de ter Sol na eira e chuva no nabal: por um lado reclama-se como "singularíssimo" arauto da elegância, da transparência e da lisura de processos e por outro vai endurecendo progressivamente o seu discurso com apontamentos deselegantes e pouco transparentes e insinuações de carácter pessoal pouco abonatórias para o seu opositor. E toda esta "caldeirada" em pacífica coexistência com um atroz vazio de propostas e programas de acção.

Tarimbado por quatro difíceis anos de um mandato em que se viu confrontado e obrigado a coexistir com o pântano nauseabundo onde vai apodrecendo lentamente o desporto em Portugal, Bruno de Carvalho terá ficado "eternamente agradecido" quando se viu empurrado pelo adversário para a sua "zona de conforto", labirinto que dominará como poucos, à custa de um adequado tom retórico, independentemente de todas as críticas que lhe possam ser feitas. É a sua praia e PMR jamais poderá pretender sair vitorioso desse "gueto de argumentação". Perderá sempre, sempre, sempre...

E a desgraça maior fica inexorávelmente estabelecida se galgarmos para patamares superiores àqueles em que se tem enredado, como será o caso da sua última e demagógica promessa de "fechar o fosso de Alvalade", sem que em tempo algum se coloque em causa a sua exequibilidade, antes a sua oportunidade, face às complexas responsabilidades decorrentes da reestruturação financeira alcançada há quatro anos pelo seu opositor de hoje: PMR parece ainda não ter conseguido perceber como foi possível fugir a esses constrangimentos e levar a cabo a maior realização do mandato prestes a terminar - o Pavilhão João Rocha. E julga exequivel, no curto ou no médio prazo, levar a cabo uma realização que todos os estudos apontam para um esforço financeiro que duplicará os custos da Casa das Modalidades, felizmente prestes a ser inaugurada...

Pura demagogia que os sportinguistas já conhecem de ginjeira!...

Leoninamente,
Até à próxima

13 comentários:

  1. Fechar o fosso é a coisa mais fácil do mundo. O saneamento e passagem de águas das chuvas já está feio. Os acessos inferiores também. Só é preciso tapar a zona superior, ora com placas de aço em grelha, ora com betão pré-formado. Simples e barato.

    O pavilhão é fácil, basta não pagar aos sub-empreiteiros. Mais não digo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Simples e barato diz o "anónimo benfas das 18:05", habituado á facilidade com que as construções são levadas a cabo lá na casa dele: o estádio pago pelo erário publico, a estância do Seixal paga pela CGD, que o mesmo será dizer, também pelo erário público! Quanto às licenças camarárias, é tudo à borla, a menos que algum deputado da Assembleia Municipal de Lisboa ou do Seixal seja do BE e coloque a boca no trombone e logo levará para tabaco, acusado de ser sportinguista! Nada naquela casa é difícil, até os campeonatos...

      Eliminar
    2. Mais não dizes? Nem devias ter começado, tanto são os disparates. Só podes ser um reles camaroteiro. Que praga de gente! Chô azeiteiro!

      Eliminar
    3. Claro que é simples fechar os olhos e pontapé para a frente, que os problemas que aparecerem depois se hão-de resolver. Só que... será a obra viável do ponto de vista técnico? E obterá as necessárias licenças, já que vai colidir com questões de segurança? E será de interesse económico, já que o estádio terá que sofrer as alterações técnicas forçadas pelo fecho de acessos? E se essas obras viessem a custar, muito provavelmente, mais de 15 M€?
      Sugiro-te que leias
      http://www.forumscp.com/index.php?topic=20874.5820
      No item Complexo Alvalade XXI - Estádio José Alvalade recua uns meses e encontrarás algumas questões semelhantes à tua, com respostas e fotos de técnicos.

      Sabes que mais? Disse alguém que a demagogia é barata e acessível a qualquer um- dizem que há quem a venda por um EUR a porção...

      (És funcionário da Somague?... Pois bem, o que o C.E. do Sporting fez, a ser verdade que empreiteiro quis revisão de preço porque, no seu orçamento, não considerara trabalhos que, afinal, até constavam do Caderno de Encargos, fez muito bem. É assim que se defendem instituições e não cedendo aqui e ali até ao ponto de, tal como aconteceu com o Estádio, o custo final da obra ser quase o dobro do custo orçamentado.
      Azar, meu caro Anónimo, Godinho Lopes já não está no Clube.

      Eliminar
  2. Àlamo, perdoe-se-me a partilha: http://svpn.blogspot.pt/2017/02/a-diferenca-entre-um-estadista-e-um.html

    Não concordo inteiramente com tudo o que aí está, mas este ainda foi até gora o artigo blogosférico com que mais me identifiquei...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Algo confuso mas, na generalidade, concordo com o caro Lion Claw...

      Eliminar
  3. As minhas humildes e sinceras desculpas ao leitor sportinguista Jordão, pelo facto de me preparar para publicar o seu comentário e, inadvertidamente, ter clicado na opção "eliminar". Não cabe nos meus conhecimentos informáticos proceder à recuperação, pelo que o convido a repetir o comentário, reiterando o meu pedido de desculpas.

    ResponderEliminar
  4. Não tem importância, Álamo. É muito curto o meu comentário. Só queria dizer que achava muito útil que o vice-presidente do Património Carlos Vieira se pronunciasse sobre a questão do fosso, pois o Sporting tem estudos feitos sobre isto. Além disso, a questão dos licenciamentos não deve ser menos complicada do que o financiamento, é por isso que o que o anónimo disse é um disparate total.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em meu entender, julgo que a sugestão do amigo Jordão, a quem agradeço a compreensão e a gentileza, poderia ser cabalmente cumprida por Carlos Vieira. Porém, assim como nós identificámos rapidamente de onde veio o comentário do "anónimo das 18:05", com muito mais propriedade e substância ele seria identificado por Carlos Vieira e seus companheiros do CD, se acaso passassem por Leoninamente. E saberão melhor do que todos nós que com certas "animalárias", chegar-lhes com a cevada ao rabo não se lhes restitui a "vida intelectual", se é que alguma vez a tiveram.

      Perdoe-me o amigo Jordão, mas atrevo-me a questioná-lo sobre as suas origens? Será a região da Figueira da Foz onde tenho amigos vários com o mesmo sobrenome?!...

      Eliminar
    2. Deixei um comentário acima, ao Anónimo das 18:05, que não sei ainda se o amigo Álamo vai ter em consideração.
      Se o fizer, poderá o Jordão ter que retirar o joio que por lá deixei, aproveitando algum trigo que poderá, em pequena medida, ajudá-lo sobre as suas dúvidas.
      Lembro-me de ter lido vários comentários do comentador P.Silva, creio que arquitecto (ou engº civil?), sobre a questão do fecho do fosso e dos problemas legais, técnicos e financeiros que acarretava e que, no final, praticamente inviabilizavam a obra.
      SL

      Eliminar
    3. Não, "Jordão" é apenas um "nickname" em homenagem ao grande Rui Manuel Trindade Jordão, o meu jogador preferido quando comecei a gostar do Sporting. :)

      Eliminar
    4. Obrigado caro Jordão. Uma escolha tão bonita e tão grande que vai até ao fim do mundo!...

      Eliminar
  5. As promessas deste candidato são uma coisa absurda e extremamente dispendiosa:

    - Recuperar a Academia pagando não sei quantos milhões e não se sabe bem como.
    Para quê mesmo?

    - Fechar o fosso gastando mais não sei quantos milhões.
    Sim, também gostaria de ver o fosso desaparecer, mas todos sabemos que não é algo assim tão simples e barato e levará largos meses a ser concretizado, com impacto na época desportiva em que se levar a cabo tal obra, obrigando a equipa a jogar fora do seu estádio enquanto esta mesma obra decorrer.

    - Despedir Jesus
    Depois de dizer que conta com ele, anuncia despedi-lo porque apoia BdC.
    Indemnização?
    Que se lixe, temos o dinheiro do clube.

    Apenas nestas três "empreitadas" estão quantos milhões mesmo?

    A receita do candidato é um regresso aos tempos dos Godinhos e Bettencourts...gastar o que não se tem, estabelecendo como prioridade o que não deve ser uma prioridade.

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE