sábado, 4 de fevereiro de 2017

Não venha o Instituto do Vinho do Porto exigir-me direitos!...


MENDES OU BENFICA -- QUEM LUCRA MAIS?

«Já aqui falei do ‘governo’ do Benfica e dos seus ‘ministros’ e ‘secretários de Estado’, entre os quais – de forma naturalmente oficiosa – o empresário Jorge Mendes (JM) se constitui numa espécie de ministro dos Negócios Estrangeiros no executivo ‘encarnado’. O presidente Luís Filipe Vieira (LFV) já assumiu, em entrevista relativamente recente, que Mendes e a Gestifute fazem parte de uma parceria estratégica, e isso quer dizer que a relação não é apenas pontual ou episódica, tem substância e visa objectivos bem determinados.

A aquisição de Filipe Augusto pelo Benfica – mais um ‘produto Jorge Mendes’ – reabre a discussão sobre o alcance desta parceria estratégica e recoloca a questão essencial: quem lucra mais com essa relação muito estreita entre o presidente Vieira e o empresário Mendes – o Benfica ou a Gestifute?

É bom recordar que Jorge Mendes tem feito tudo para este seu ‘activo’ crie raízes nalgum clube por onde tem passado. Filipe Augusto foi uma aposta do empresário e do Rio Ave (com Nuno Espírito Santo) e, nos últimos 2/3 anos, tem andado a ser emprestado – primeiro foi o Valencia (outra vez com Nuno Espírito Santo) e depois o Sp. Braga, com o Rio Ave sempre na expectativa de poder encaixar algum dinheiro com uma futura venda, como faz parte do acordo que levou, agora, o jogador para o Benfica.

Nestes negócios, entre grandes clubes e grandes empresários, há sempre lógicas nem sempre claramente perceptíveis. Não raras vezes se consegue alcançar a sustentação de algumas apostas desportivas e elas podem servir de compensações ou alavancas de ou para outros negócios. Jorge Mendes acaba de ser protagonista de mais um encaixe significativo para o Benfica (e, naturalmente, para si próprio), ao conseguir colocar Gonçalo Guedes (GG) no PSG, e isso até serviu para uma coisa muito inusitada no futebol, que é juntar no mesmo momento e na mesma fotografia, em amena confraternização e celebração, neste caso em Paris, o presidente do clube vendedor (LFV), o jogador (GG), o empresário do jogador (JM) e os responsáveis do PSG. Não é muito normal, mas aconteceu, com a exteriorização de um grau de satisfação muito elevado…

Filipe Augusto é jovem (23 anos), tem um longo caminho à sua frente mas, entre muitas coisas a favor (boa capacidade técnica), há duas coisas que não podem deixar de lhe ser apontadas: primeiro, o facto de ainda não ter pegado em nenhum clube – Rio Ave, Valencia e Sp. Braga – desde que saiu do Brasil (Bahia) em 2012, e talvez por isso o seu actual valor de mercado não é muito alto (cerca de 800 mil euros); segundo: uma lesão do ligamento cruzado, que muitos apontam como uma das razões da sua ainda não afirmação.

Talvez Jorge Mendes tenha convencido Luís Filipe Vieira a apostar em Filipe Augusto para a posição que Renato Sanches deixou, primeiro, para André Horta e, agora, para Pizzi, que se acha neste momento muito sobrecarregado fisicamente e precisa, em certos jogos, de uma alternativa credível para conseguir gerir melhor a sua condição em benefício da equipa. É, pois, pacífico que o Benfica precisa de mais um ‘8’; é pacífico que, do ponto de vista financeiro, o Benfica tem boas hipóteses de não sair a perder, uma vez que, não obstante ter firmado com o jogador um contrato longo (até 2022), mas… mas…

Há, contudo, uma questão que pode ser menos pacífica: é que, se foi uma forma de ‘compensar’ Mendes pelas inúmeras operações que o empresário tem conseguido com jogadores ‘made in Seixal’ (Renato Sanches, Gonçalo Guedes, Bernardo Silva, André Gomes, João Cancelo, Ivan Cavaleiro, agora Hélder Costa e já com Nélson Semedo e Ederson a aquecer no ‘forno das transferências"), resta saber qual o rendimento desportivo que Filipe Augusto terá na Luz. E isso não deve ser nem despiciendo nem passível de ser aligeirado. O Benfica precisa mesmo de um ‘8’ e isso pressupõe que não seja ‘igual ao litro’ o jogador ficar ou não mais ou menos encostado. Desportivamente, o Benfica não pode correr esse risco.

Acresce que, estando correcta a estratégia (preparar as vendas), isso tem um lado que pode ser contraproducente: coloca a cabeça dos jogadores ‘a mil’. Não terá sido essa razão da quebra abrupta de rendimento do Benfica nestes últimos jogos?… ‘Tanto mercado’ para Ederson, Nélson Semedo, Lindelof, Luisão, Grimaldo, Samaris, Carrillo, Jonas, Cervi e Jiménez não contamina negativamente o balneário?!…

... E há um outro argumento decisivo: com tantas vendas, boas no plano teórico, se o Benfica não conseguir abater passivo – como é intenção e promessa do presidente – a pior coisa que pode acontecer a Vieira é despejarem-lhe em cima o anátema de que quem mais lucrou com estas operações não foi tanto o Benfica mas Jorge Mendes e a Gestifute. E isso é perigoso para a sua credibilidade.»
(Rui Santos, Pressão Alta, in Record)

AVISO IMPORTANTE

A leitura desta crónica de Rui Santos não será especialmente recomendada a adeptos do clube visado pelo autor.

O meu propósito de hoje e de sempre é concorrer para o divertimento e boa disposição dos adeptos sportinguistas.

Sendo um produto natural - a crónica, naturalmente! -, sujeito a criar depósito com a idade, recomenda-se que seja servido com o devido cuidado para não turvar. Mas depois...

Não venha o Instituto do Vinho do Porto, exigir-me direitos!...

Leoninamente,
Até à próxima

6 comentários:

  1. E ainda " se esqueceu o caracolinhos" de referir os lucros do presidente dos lampiões, depositados algures num paraíso fiscal...

    " Está tudo controlado" ( até os adeptos que não podem abrir os olhos porque lhes escorre gelado p'rós olhos)...

    Quanto ao jogador... agora a CS fará o resto...

    ( A Gestifute deve gastar uma pipa... em comissões, para alimentar este canil)...
    SL

    ResponderEliminar
  2. Uma crónica realista mas perfeitamente previsível face aos dados financeiros que vamos conhecendo do nosso adversário .a sua referencia ao vinho do Porto é pertinente mas só ficará completa quando tudo for decantado. Por fim, excelente disposição e sentido de humor sr Álamo que espero seja bom prenúncio para o jogo de hoje.

    ResponderEliminar
  3. Muita palavra soft, muitos paninhos quentes, muita delicadeza sempre que se fala de negócios de Mendilhões.

    Este jornalixo português tem sempre muito medo de ofender os DDTs...

    Rui Santos sabe bem mais sobre estes negócios da treta do que aquilo que escreve...

    ResponderEliminar
  4. As Ilhas Caimão agradecem estas negociatas...

    ResponderEliminar
  5. O caracolinhos pegou no assunto com pinças e de forma timorata. Mais valia não ter pegado no assunto. Maia valia ter falado de culinária, o efeito era o mesmo. Para mim a sua credibilidade foi pelo cano abaixo. A.A. SL

    ResponderEliminar
  6. Aos autores de todos os comentários anteriores a este que agora publico, e que de um modo geral criticam a forma cautelosa, "timorata", "com paninhos quentes", "com pinças" e outras adjectivações mais ou menos agressivas para com Rui Santos, eu recordarei que mais criticáveis serão as posições das instituições a quem deveria caber a responsabilidade de, partindo das suspeitas que têm vindo a público, proceder às investigações necessárias no sentido de apurar toda a verdade.

    Na minha modesta opinião RS escreve uma crónica corajosa, que com toda a certeza lhe dará alguns amargos de boca mas, inteligentemente, baseou-se apenas em factos que são do conhecimento público, recusando voluntarismos bacôcos sem base de sustentação, na medida em que é um jornalista que não pertence aos quadros de nenhum jornal, único suporte para uma investigação capaz de descobrir provas suficientes para as denúncias que os amigos gostariam de apreciar, mas que infelizmente nunca aconteceu nem acontecerá tão cedo em Portugal!...

    Com o devido respeito por todos, há muito que conheço RS e a ideia que tenho dele é que poderá ser tudo menos desconhecedor do mundo que o rodeia. Ele sabe que o "apito dourado" deu no que deu e que apesar de outros apitos se perfilarem no horizonte, ninguém abre a boca sem ter consigo provas que sustentem as suas palavras. Como disse, só uma instituição capaz e organizada se poderia dar ao luxo de afrontar "o polvo"!...

    Já fez muito Rui Santos com a crónica que teve a coragem de escrever! Esta é apenas e tão só a minha despretensiosa opinião...

    SL para todos

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE