sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Um caso deveras complicado esta avalanche!...


Um caso bem complicado

"O Record foi quem trouxe o assunto à praça pública mas é preciso reconhecer que não por aturada investigação jornalística. Foram as palavras de Lito Vidigal, enigmáticas, de quem não concordava com a limitação, diga-se até, de quem queria levantar a lebre, que nos levaram a fazer o nosso trabalho. Curiosamente, o único desportivo a fazê-lo. Porquê? Talvez porque já vimos tantos porcos a andar de bicicleta que já se torna difícil indignarmo-nos quando vemos apenas mais um.

Mas não pode ser essa a solução. Foi um pouco isso que nós, portugueses, fizemos em relação a muitos políticos, banqueiros e empresários e veja-se onde nos levou. Os casos Miguel Rosa/Deyverson e Kléber não fazem correr muita tinta por serem inéditos. Acontece que a falta de transparência é algo cada vez menos aceitável num país que está a sofrer muito com os erros de poucos.

É verdade que fechámos os olhos a um presidente da República que compra e vende acções de um banco que é o maior caso de polícia da história. Não ligámos o suficiente a um primeiro-ministro que não se lembra se recebeu ou não 5 mil euros/mês, curiosamente o mesmo homem que se gabava de ir de Opel Corsa para Manta Rota. Achamos normal até que um banqueiro que arruinou um império receba prendas de 14 milhões e pague impostos atrasados. Mas tudo tem um fim como se vê em Évora. A impunidade é difícil de aceitar quando há crianças a desmaiar de fome nas escolas porque o dinheiro se perde num bolso qualquer.

Aqui não há Sporting, Benfica ou FC Porto. Há regulamentos. E se não servem para castigar quem até confessou ter alterado a verdade desportiva, como fez Rui Pedro Soares, então façam-se novas leis.

E cumpram-se, doa a quem doer.
(Bernardo Ribeiro, Entrada em campo, in Record)

As grandes avalanches das montanhas geladas, começam assim! Primeiro, por uma pequena pedrita de gelo, que rola, montanha abaixo. Alguns metros depois, já um homem não a consegue suster, afasta-se para o lado e ela lá segue o seu caminho, lambendo metros e engrossando, até se tornar medonha e levar toda a neve que encontra pelo caminho...

Anda uma pedrita de neve a rolar, no cume mais alto da montanha de sórdida neve do futebol português. Ninguém sabe o tamanho que terá, quando encontrar a Comissão de Instrução e Inquéritos da Liga e se continuará ou não o seu caminho. Se continuar, quando se cruzar com o "magistruz" Ti Herculano, já poderá ser demasiado grande para o pobre do homenzinho a suster. Mas mesmo que essa caricatura de juiz pretenda romanticamente travar o seu caminho, nada nem ninguém poderá impedi-la de continuar a rolar ao encontro do Ti Manel da Serra, outro "magistruz" que pretenderá evitar a avalanche e... "intencionalidade sem intenção" não voltará a colar, como colou com o atraso dos "corruptos"!...

Um caso deveras complicado esta avalanche!...

Leoninamente,
Até à próxima

Sem comentários:

Enviar um comentário

PUBLICIDADE