sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Chamar os bois pelos nomes !...


As regras do jogo


Os adeptos dos clubes passam mais de metade da época a discutir a aplicação das leis do jogo, que é como quem diz a questionar decisões de arbitragem suscetíveis de dúvida e de polémica. A conclusão é consensual: “a nossa equipa é a mais prejudicada”.

Depois, há outras regras que não estão escritas em lado algum mas que são assumidas e respeitadas em função dos acordos realizados através de cedências, empréstimos ou outros negócios. Neste âmbito, a “lei” é muito clara em situações simples: se o jogador cedido pelo clube X tem o seu salário pago pelo clube Y, então só jogará contra o clube Y se este o permitir. Se quem assume o pagamento do ordenado é o clube X, então, à partida, não terá qualquer impedimento, jogando sem constrangimentos – foi o que sucedeu com o leão JoãoMário quando o ano passado representava o V.Setúbal.

Ainda recentemente, tivemos o caso de Tozé que, emprestado pelo FC Porto ao Estoril, marcou um dos golos do empate dos canarinhos com os dragões (2-2), assim como no passado o defesa portista Abdoulaye se ressentiu de lesões em vésperas de jogos com os dragões quando então estava noV. Guimarães. Também Miguel Rosa e Deyverson falharam o encontro com o Benfica.

Lito Vidigal lançou ontem o mistério e assumiu que a utilização de Rosa e Deyverson no clássico da Luz volta a estar dependente da SAD azul. Trata-se de dois dos melhores jogadores do Belenenses e, como diz Lito, os melhores devem jogar. O argumento é inatacável, assim como é clarinho para Rui Pedro Soares que oBelenenses só tem esses jogadores em condições especiais. Um e outro têm razões para sustentar as suas posições. Um e outro jogarão conforme as regras que aceitaram.

É de elogiar a coragem do director de um tablóide desportivo, ao fazer publicar uma crónica com tais efeitos destruidores nas campanhas de transparência, boa fé e pretensa defesa da "verdade desportiva", com que Benfica e Porto têm procurado atirar areia para os olhos dos adeptos do futebol em Portugal.

Sendo natural que António Magalhães conheça demasiado bem o país em que vive e muito melhor ainda os condicionamentos a que está sujeito o jornal que dirige, terá usado a proverbial forma inteligente de escrever o seu pensamento entre as linhas da sua bem gizada crónica: disse o que queria dizer, "sem colocar os nomes nos bois" e os leitores que descubram o resto!...

Claro que todos os leitores sportinguistas do jornal Record, perceberão a mensagem sem necessidade de contratar explicadores. Mas os adeptos benfiquistas e portistas, obviamente, não perceberão... "nadica de nada! Eles nem são de cá...

Benfiquistas e portistas vivem num mundo diferente! Um mundo de valores e de... 
TRANSPARÊNCIA E VERDADE DESPORTIVA!!!...

Leoninamente,
Até à próxima  

4 comentários:

  1. O temor reverencial é uma coisa ****** (lixada). A crónica começa com uma falsidade na forma de bicada ao Sporting Clube de Portugal quando diz que é unanime que cada adepto acha que o seu clube é o mais prejudicado, para abrir caminho para depois criticar a Santa Aliança, não vá o diabo tecê-las e receber o correctivo por via oficial.
    Eu tenho um sonho (como o Martin Luther King). Que um dia os articulistas tenham a liberdade de dizer aquilo que todos sabem, mas que só os sportinguistas dizem, que o nosso clube é o mais prejudicado ao longo de toda a época, e a que juntar aos restantes atropelos, faz com que a nossa Liga seja uma tragi-comédia.

    ResponderEliminar
  2. Então...os adeptos do benfas e do bufas, só podem mesmo ter uma e única opinião...:

    "Se o neo-casal é quem paga as (despesas lá da casa)...lógico que serão eles (não importa "quem é" a esposa ou quem é o marido...
    Será sempre pelo duo quen passará a ideia de "verdade desportiva"...)...
    E o resto...é a "inveja" dos sportinguistas a manifestar-se..."...


    Tão "simples"...tuo tão "transparente"...tudo tão "limpinho"...

    Esta "mania que temos" de vermos fantasmas em tudo o que mexe...!!

    Abr e SL

    ResponderEliminar
  3. Caro Álamo
    Ou sou eu que sou estúpido ou parte do último parágrafo não é nada claro. cito:...assim como é clarinho para Rui Pedro Soares que o Belenenses só tem esses jogadores em condições especiais. Um e outro têm razões para sustentar as suas posições. Um e outro jogarão com as regras que aceitaram" fim de citação. Onde é que isto é uma critica? Isto é o colunista aceitar o que o que quer que aconteça. Sem criticar nada que possa acontecer. jogarem ou não jogarem. Pelo menos é assim que eu leio a crónica. E já a li 3 vezes! SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A missão de qualquer jornalista do jornal Record - grupo Cofina - não é fácil! Para poder preservar simultaneamente o seu emprego e a sua dignidade, terá necessariamente, de ser inteligente e quando as suas responsabilidades se situam ao nível da direcção do jornal, os cuidados e a inteligência terão de suplantar todos os patamares que possamos imaginar.

      Para quem tiver a intenção de perceber a questão central que António Magalhães aborda na sua crónica, só por manifesta má fé não o conseguirá! Mas estamos num país livre e cada um tem o direito de entender o que lhe parecer...

      Eliminar

PUBLICIDADE