quarta-feira, 18 de setembro de 2019

A Justiça em Portugal está doente e não aprende!...


Ultras da Juventus chantageavam clube por bilhetes grátis. Agora foram detidos

Cerca de 40 adeptos, 10 dos quais líderes de algumas das claques mais violentas da Juventus, foram detidos esta segunda-feira, suspeitos de chantagear o clube com o objetivo de conseguir bilhetes grátis. Ameaçavam com violência e cânticos racistas durante os jogos do clube de Cristiano Ronaldo

«Foi preciso um ano de investigação por parte de uma unidade especial da polícia de Turim para fazer cair os líderes de vários grupos de ultras da Juventus, que alegadamente chantageavam o clube para obter bilhetes grátis, que eram de seguida vendidos no mercado negro.

A fórmula era, aparentemente simples: caso o clube não disponibilizasse bilhetes a estes grupos, os adeptos ameaçavam causar cenas de violência e entoar cânticos racistas durante os jogos da Juventus. Além de 10 líderes de claques, outras 27 pessoas foram detidas, depois da equipa de Cristiano Ronaldo apresentar queixa às autoridades.

De acordo com a agência Reuters, a operação decorreu esta segunda-feira e estendeu-se a 14 cidades do norte e centro de Itália. Os detidos deverão ser agora acusados de conspiração, crime organizado, lavagem de dinheiro e agressão.

Este caso surge poucos meses depois do Ministério Público italiano abrir uma investigação (que ainda decorre) à alegada entrada de membros da máfia calabresa nos grupos de ultras da Juventus.»

Depois de há já alguns anos todos termos assistido em Itália, ao desmantelamento de uma tão sofisticada quanto tenebrosa rede de influências, em que grandes clubes italianos estiveram implicados e que acabou por determinar a descida automática aos escalões inferiores do futebol italiano de alguns dos mais importantes, eis que de novo a justiça italiana parece estar apostada em dirigir o seu foco para os adeptos ultras transalpinos, no sentido de desmantelar uma outra tenebrosa mafia há muitos anos instalada, por lá tanto quanto por cá, com tão poderosos tentáculos que vão desde o exercício puro e duro da mais selvagem e gratuita violência, até aos mais escabrosos e demolidores efeitos para as sociedades em que estão inseridos, do narco-tráfico mais nefasto e abjecto.

Um exemplo para toda a justiça portuguesa, cujas mais diversas vertentes surgem publicamente e ante a estupefaccão de todos nós, contemplativas, subservientes e até, alegadamente, mancomunadas com os mais sórdidos e espúrios interesses daqueles que, à margem de todas as leis e das mais elementares normas civilizacionais, parecem ter-se apoderado de todas as mais altas instâncias que comandam e governam o futebol português. Já não nos bastava a podridão que grassa no futebol...

A Justiça em Portugal está doente e não aprende!...

Leoninamente,
Até à próxima

2 comentários:

  1. Os Juizes portugueses fazem-me lembrar uns bonecosovais, que se compravam em feiras, e que tinham a particularidade de, pousados fosse em que posição fosse, rodavam e ficavam de pé.
    Mentalidade corporativista? É bem provável.
    Corrupção, nalguns casos? Não me surpreenderá se a houver.
    Basta atentar no que se tem passado com o Juiz Rangel que, após denúncias públicas, se considerou incompetente para julgar o caso Marquês(?). Mas...
    Mas quem o nomeou (ou manteve na escala para sorteio) fica incólume?
    Quem o nomeou não teve o cuidadoda analisar os seus antecedentes (ou braços ou tentáculos, o que quiserem)?
    (Prefiro não falar no caso dos toupeiras, ainda acabo preso)

    Desde miudo que ouço dizer "quem tem amigos, não morre na cadeia!"...e quem diz amigos, diz "bons padrinhos" -à italiana, pois claro.

    ResponderEliminar
  2. A justiça em Portugal não faz nada para resolver os fora da lei que são os lampiões, que têm a complacência dos órgãos políticos, exemplo instituto do desporto em relação às claques do slb, assim como a liga de clubes e FPF que deixam passar tudo, sem qualquer punição. Havia alguém que era o Cdono disto tudo, agora são os lampiões, com a ajuda de todos,

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE