sábado, 8 de julho de 2017

O homem nem há-de dormir com tanto trabalho!...


Maus hábitos e boas práticas

Fernando Gomes sentiu a necessidade de recordar que à mulher de César não basta ser honesta

«1 Não deixa de ser relevante que Fernando Gomes tenha sentido a necessidade de recordar, por carta dirigida aos presidentes dos órgãos sociais da Federação Portuguesa de Futebol, que os elementos que os integram não devem solicitar nenhum tipo de oferta a qualquer agente desportivo. Nem deixa de ser significativo que a missiva mencione de forma específica os pedidos de bilhetes para jogos de futebol. Afinal, a oferta de ingressos, precisamente a elementos de órgãos sociais da FPF, é um dos temas levantados em alguns dos alegados emails recentemente divulgados pelo Porto. Sendo obviamente de louvar a preocupação do presidente da Federação com a moralização do futebol português, o facto de sentir a necessidade de o fazer precisamente agora e de forma pública há de significar alguma coisa. Quer dizer, se os maus hábitos não existissem, não havia necessidade de recordar as boas práticas, pois não?

2 Dois clássicos nas últimas cinco jornadas do campeonato significam que, em princípio e salvo algum bruxedo, a luta pelo título vai durar até ao fim. De resto, a acumulação de condicionantes ao sorteio nas primeiras jornadas acaba por ter esse efeito na arrumação possível dos jogos, protegendo os três grandes. Claro que para proteger uns é inevitável desproteger outros e se Benfica, Porto e Sporting têm arranques relativamente acessíveis, o mesmo não se pode dizer, por exemplo, do Braga, que nas primeiras quatro jornadas vai à Luz e recebe os dragões. A prova de que nesta, como noutras lutas entre elefantes, quem perde é o capim.»
(Jorge Maia, Opinião, in O Jogo)

Começando pelo ponto 2 da crónica, julgo que Jorge Maia ainda não se terá apercebido que o "capim" é como as putas: quanto mais leva nos cornos, é calcado e espezinhado, mais se agacha e jura amor eterno ao azeiteiro! Uma questão que talvez só  Sigmund Freud fosse capaz de desvendar se ainda por cá andasse!...

Passando ao primeiro ponto, finalmente um jornalista descobriu a quem afinal era dirigida a mensagem de Fernando Gomes: "se os maus hábitos não existissem, não havia necessidade de recordar as boas práticas"!...

Tenho dúvidas é se o destinatário chegará a entender a mensagem de Jorge Maia e, se porventura andar por lá um iluminado qualquer que a saiba ler, se o "janela" não lançará de imediato uma "cartilha de fumo"!...

O homem nem há-de dormir com tanto trabalho!...

Leoninamente,
Até à próxima

7 comentários:

  1. Gostei especialmente do "capim" e do "azeiteiro"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ao Leão17 direi que fiz uma boa parte da minha carreira académica no Porto.

      Pronto, Leão17 já está no meu blogroll. Gosto. Nem de porrada são fartos! Força, é dar-lhes sem dó nem piedade!...

      SL

      Eliminar
  2. Eu fiz até ao antigo sétimo em Aveiro e, mais tarde por razões profissionais, 3 anos no Porto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois então não querem lá ver que somos vizinhos?! É que dos 13 aos 18 também foi Aveiro a minha base académica! O mundo é pequeno...

      Eliminar
    2. Liceu Nacional de Aveiro. Reitor o "Vindimas"

      Eliminar
    3. Eu segui a via tácnica para acesso ao ISEP. Por isso frequentei o curso de Electricidade na EICA, complementado com os dois anos preparatórios, na altura exigidos para entrada em engenharia. Fui para o Porto com 18 anos, ainda o ISEP era na Rua do Breiner. Velhos tempos...

      Eliminar
    4. Como?... Eu, dos 13 aos 16! Só me lembro do Prof Estima, de Historia.
      Vivia num Centro de Estudos, ali à R.José Estêvão, onde conheci o José Júlio, anos depois Comandante Abrantes Serra (Forte de Caxias) -chegaram a conhecê-lo? E podem juntar o António Bernardino e o Manuel Freire...

      Eliminar

PUBLICIDADE