segunda-feira, 3 de julho de 2017

Ainda não ensandeci!...


BENFICA VENDER, VENCER

«O Benfica habitou-se a vencer. São onze títulos em 16 possíveis, no curto espaço de quatro anos. Só que até vencer provoca alguma fadiga. No Jamor, há pouco mais de um mês, com adeptos banhados a chuva, os festejos de um triplete, apesar de tudo, incomum foram, sintomaticamente, tímidos.

Mas agora que o futebol que interessa, centrado nos protagonistas do jogo, regressa, é possível identificar o primeiro dos efeitos do defeso. Se o Benfica acabou a temporada habituado a vencer, corria-se o risco de o clube ficar tolhido pela soberba, convencido que o próximo campeonato estava ganho. Um risco entretanto ultrapassado.

É que a ofensiva comunicacional do Porto, acolitado pelo Sporting, que coloca o Benfica no centro de tudo teve, desde já, consequências. Mobilizou os benfiquistas como se o clube não viesse de uma onda vitoriosa e obriga a direcção a inverter o que seria, provavelmente, a sua política comercial. Em lugar da opção pelo "Benfica vender, vender", estratégia que seria seguida de forma a acelerar a diminuição da dívida, teremos um regresso ao lema de sempre, "Benfica vencer, vencer".

Claro está que, para já, vivemos ainda aquele período do defeso no qual o Benfica repete um modelo de negócio eficaz, mas que causa estranheza ao adepto de bancada. Contrata-se uma dúzia de jogadores que nunca jogarão na equipa principal com um triplo propósito.

Demonstrar a mercantilização imparável do negócio do futebol, com contratações que servem apenas para gerar mais valias com vendas futuras de activos que nunca pisarão o relvado dos clubes que os contratam (Marçal); promover a felicidade entre os homens, realizando desejos alimentados desde criança por alguns rapazes – é sempre comovente ver a emoção com que os jogadores dizem estar a cumprir um sonho, no momento em que são apresentados e vestem, fugazmente, o manto glorioso que nunca envergarão em jogos oficiais (Agra?); e, claro está, aumentar a confiança entre os nossos adversários, que, enquanto fazem contratações cirúrgicas de talentos maduros e firmados, ficam confundidos e têm dificuldade em destrinçar qual é o verdadeiro craque (Seferovic, Chrien, Krovinovic?), no meio de jogadores contratados a obscuros clubes da América do sul (Arango?) e de jogadores obscuros contratados a clubes do nosso campeonato (Patrick?).

Como sempre acontece em Julho, percebe-se pouco das contratações feitas pelo Benfica, mas fica já uma certeza. É fundamental que os directores de comunicação do Porto e Sporting prossigam os seus ataques: enquanto mobilizam os adeptos do Glorioso, vão obrigar a direcção a construir um plantel para conquistar o penta. Com menos vendas do que o previsto (fica Nélson!) e com melhores contratações do que aquelas com que sonhávamos. Esperem pelo início do campeonato.»
(Pedro Adão e Silva, A luz intensa, in Record)

É frustrante, descoroçoante, revoltante, aviltante e digno de profunda comiseração, apreciar até onde pode chegar a pobreza de espírito, a subserviência, a alienação e a pobreza intelectual de um "sociólogo e professor universitário"! Professor universitário?! Para ensinar o quê e a quem?!...

Nunca ninguém me conseguirá convencer a colocar no mesmo saco do benfiquismo "farinha" deste jaez, com a categoria, a classe, a cultura, a inteligência e a dimensão humana de, por exemplo, um Júlio Machado Vaz e um Pedro Santos Guerreiro!...

Ainda não ensandeci!...

Leoninamente,
Até à próxima

7 comentários:

  1. É frequente encontrar diversos lampiões a opinar no espaço mediático, versando temas que vão desde a política à música, passando pela segurança interna e externa, e acabando no futebol. Desde os Venturas, os Goberns, os Pereiras e os Adões, todos eles sabem e falam de tudo, sendo pagos a peso de ouro pelas televisões, rádios e jornais cá do burgo. Este fenómeno cresce a olhos vistos, bem como o número que comentadores ditos independentes que falam de futebol com lentes avermelhadas: Janela, Delgado, Brás, Rola, Garcia, Rita, Baptista, Borges, Gilberto, Daniel, Nunes, Sousa, P.Henriques, J.Carlos, etc, etc. Por outro lado, ocorre o saneamento de figuras ligadas ao Sporting, tal como aconteceu no caso de recente de Eduardo Barroso, após José Diogo Quintela, Dias Ferreira e Daniel Oliveira.
    Até quando deixaremos que a cultura do pensamento único prevaleça?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foram 48 anos de "educação", meu caro "makebafonica"!...
      Absolutamente perdidos em Abril, os "transfugas" passaram-se de armas e bagagens para a única ligação ao anterior regime!...
      Nada a fazer e o fenómeno parece multiplicar-se, face ao nosso modelo de educação, bem patente na "nova geração" de que se "ouvem já os rumores"!...
      É uma luta inglória aquela que os espíritos livres ainda tentam travar enquanto por cá andarem. Depois?! Já não será connosco!!!...

      Eliminar
  2. Muito triste quando um país tem académicos tão pobres.. de valores morais. Por isto é que eles irão passar incólumes Também neste caso. É que quem vai investigar e julgar este caso também não consegue se despir do seu lampionismo. É a maior patologia do ser-português...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo amigo Helder Mestre! Nada a fazer!!!...

      Eliminar
  3. O simples facto de colocar a sua condição de "professor universitário" (se é que o é) diz tudo sobre a sua falta de classe. Quis o acaso que eu tivesse conhecido alguns deles (daqueles que colocam o grau académico como referência) e, coincidência ou não, sempre foram dos piores nos temas de que assumi responsabilidades. Entre esses conheci um que é (ou já foi) ministro cujo nome não citarei mas que, por acaso, é benfiquista!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso, caríssimo amigo Aboim Serodio. Só por acaso esse ministro (ou ministro que já era) é benfiquista!...

      Eliminar
  4. Este é um reles lampião.
    É raro hoje em dia encontrar um benfiquista...

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE