quarta-feira, 22 de junho de 2016

O que é que a selecção anda a fazer neste Euro 2016?!...



Cinzenta, cinzenta a nossa selecção, a pedir meças à Grécia de Otto Rehhagel em 2004 e mais tarde, entre 2010 e 2014, orientada pelo mesmo seleccionador que hoje comanda a nossa selecção e que se vem revelando tão ou mais cinzenta ainda que o conjunto helénico desses tempos.

No grupo reconhecidamente aceite por toda a crítica universal como o mais fraco deste Euro 2016, uma selecção que ocupa o oitavo lugar no "ranking" da FIFA, consegue o prodigioso feito de se classificar em terceiro lugar com apenas três sofridos pontos, sem alcançar qualquer vitória e somando três desprestigiantes empates contra a Áustria (11ª), Hungria (18ª) e, imagine-se, Islândia (35ª), com estas duas últimas a alcançarem, respectivamente o primeiro e segundo lugares do grupo.

Com uma exibição sofrida e quase criminosamente desorganizada, autenticamente de calças na mão e com vários jogadores  a pedirem para sair rapidamente daquela cena, os adeptos lusos tiveram que sofrer a bom sofrer durante todo o encontro, sempre a correr atrás do prejuízo, absolutamente convictos de que apenas sobre o seleccionador recairão as culpas de todo esse inusitado sofrimento.

Decididamente ninguém saberá onde Fernando Santos terá ido buscar a coragem para retirar ao intervalo a maior decepção deste selecção, quiçá deste europeu na sua globalidade durante esta fase de grupos: João Moutinho!...

Mas paralelamente, também ninguém perceberá o que andou a fazer André Gomes durante 60 minutos dentro de campo, com o melhor médio da Liga portuguesa sentado no banco.

E tivemos todos de esperar pelos 80 minutos para assistirmos ao corolário do cinzentismo de Fernando Santos, quando optou pela estapafúrdia substituição de Nani por Danilo, numa clara demonstração de que teria as cuecas humedecidas, não se saberá bem se de urina ou se doutra coisa ainda mais desagradável. E Adrien Silva, no banco, terá pensado que, definitivamente, o seleccionador apenas o levou a França para o humilhar, cumprindo ordens de quem toda a gente do futebol naturalmente imagina. Porque o médio lenino, naquele momento, seria obviamente capaz de fazer aquilo que Jorge Jesus ao longo de toda a época lhe pediu: garantir a segurança defensiva sem jamais abdicar de empurrar a equipa para a frente. Mas o cinzento Fernando Santos parece preferir o futebolzinho lateralizado e os passes à rectaguarda de Danilo Pereira, em que Julen Lopetegui o parece ter viciado...

Nada portanto que os adeptos do futebol possam contrariar. Ter-se-ão salvo de tanta mediania e cinzentismo os marcadores do golos e os autores das três assistências que os permitiram: Nani, João Mário e, por último, Cristiano Ronaldo,  quiçá acicatado pelo episódio da manhã, em que mandou "dar banho ao cão" de um imprudente e pouco arguto jornalista, igual a tantos outros que por aí vegetam em vez de irem cavar batatas.

Agora os deuses da fortuna decidiram colocar no nosso caminho mais uma "quadratura do círculo" a Fernando Santos e no sábado lá iremos com João Moutinho, André Gomes, Vieirinha, Pepe e se calhar Eliseu, acabar de atar os molhos com a Croácia. Mas que ninguém diga que não está avisado! A selecção croata terá sido, muito provavelmente, a que mais me terá impressionado até agora neste europeu!...

Cada um tem aquilo que merece e a nossa selecção, a continuar a exibir-se no registo dos três primeiros jogos...

O que é que anda a fazer neste Euro 2016?!...

Leoninamente,
Até à próxima

6 comentários:

  1. Quaresma, Renato e João Mário no apoio a Ronaldo fazem a diferença. Só um invisual não o vê. Espero que se mantenha.

    ResponderEliminar
  2. Anda a aprender sobre a História dos francos... o Nandinho anda armado em Carlos Magno.

    ResponderEliminar
  3. Sendo eu daqueles que vibram com os jogos do Sporting lembro-me de ter prevenido que comentaria pouco os jogos do Euro2016 porque sei que se trata de uma montra de vaidades! Por acaso até sou daqueles que preferem que os jogadores do Sporting não entrem nesse escaparate! Estou-me a lembrar do Sir William no ano passado que tanto tempo levou a recuperar! Sei que, seja qual for o seleccionador, ele terá de se "aproveitar" dos jogadores "made in Alcochete" porque tal é quase inevitável! Não sei qual é o "empresario" de cada jogador mas penso que isso pode ser decisivo! Excepcionalmente hoje vi o jogo das 17:00 numa TV alemã por se tratar de Portugal! Não me encheu as medidas nem eu o esperava! Técnicamente pouco ou nada tenho a acrescentar ao que o meu Amigo Álamo já escreveu. Vá lá que Portugal não foi uma das poucas equipas a ir-se logo nesta fase! Mas talvez isso pudesse ajudar os nossos jornalistas (???) a serem mais realistas numa futura competição deste género! Ainda não li nemhuma referencia à bola ao poste da Hungría mas creio que não estou a sonhar! Não me esquecerei tão cedo de toda aquela panoplia de gestos reprovativos para com os seus colegas com que CR7 tanto se colocou em evidencia, CR7 esse que devia saber que na Europa quase nunca vale atirar-se para a piscina! E é tudo!

    SL

    ResponderEliminar
  4. Verdadeiramente, não consigo entender o ponto de vista do FS, mas deve ser por isso mesmo que é ele o treinador e não eu...ou outro que perceba alguma coisa do oficio...
    Mas acho que FS se está a portar muito mal com Adrien...
    Vá lá, embora muito atrasado no tempo, lá mandou o Moutinho para o banco ( "descansadinho" vai entrar de inicio contra a Croácia...) e despois, achou também que era tempo de "abrir a pestana" (o FS é claro...) e mandar o André Gomes "descansar"...
    É claro que "o salvador da pátria" só podia ser o Sanches...porque o Adrien...
    Bem o Adrien...deve com toda a certeza "sofrer de doença contagiosa" e o seleccionador nem por nada o quer "a mexer" naquele miolo...

    Não seria já tempo de deixarem de "gosar" com o jogador...?

    SL

    ResponderEliminar
  5. Acredito que um invisual não o veja, mas um cego vê-lo-á com toda a certeza. Já era tempo de se abandonar essa perspetiva tão redutora e miserabilista acerca dos cegos. Porque invisual é um eufemismo da condição de cego (conhecem algum inauditivo?). Ser cego não significa não ter visão: um cego pode ter visão: Um portador de cegueira adquirida "pode estar apenas"privado da visão funcional, mas manter um cortex visual intacto que funciona como uma autêntica videoteca, onde o cego vai buscar as suas imagens do passado, que lhe serão muito úteis para se orientar, é isto que faço, porque conheço todas as ruas da minha localidade; desta forma: basta-me dizer Uolly: "Vai em frente, busca linhas à direita etc".
    E eu como cego total, assumindo a minha faceta narcisista, não necessito de olhar para ver. Não me distraio com as aparências, com as cópias das ideias, prefiro concentrar-me nas essências: penso que Kant não diria melhor...
    E para se perceber como um cego sabe percepcionar o jogo: vou dizer como Portugal deveria jogar com a Croácia. Devia jogar em 4-4-2, com dois trincos, dando a iniciativa do jogo aos balcânicos; jogar na expetativa, para depois os nossos jogadores, a partir de tras, encontrarem espaços para entrar na área croata em contra-ataque. Portugal não deverá jogar em ataque continuado com ninguém, e muito menos com uma Croácia, cheia de grandes individualidades, jogadores de grande talento e capacidade técnica e velocidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um grande abraço meu amigo Helder Mestre e o meu muito obrigado pela sua contribuição. Era bom que Fernando Santos fosse capaz de ver aquilo que para o meu amigo é tão nítido e claro. Subscrevo o seu pensamento: o ataque continuado contra autocarros blindados, com alguma sorte, traduz-se em empates e com a "lei de Murphy" a funcionar, muitas vezes conduz à derrota. O contra-ataque rápido, eficiente e sem rodriguinhos, é uma arma que, à medida que o futebol vai evoluindo, se estará a tornar cada vez mais letaL. Em ataque continuado, dificilmente marcaremos à Croácia, mesmo que a sua defesa não seja das melhores que este europeu nos tem oferecido. Já com os grandes lançadores que temos poderemos aproveitar ao máximo, em contra-ataque, todas as ímpares potencialidades de Ronaldo e surpreendê-los. E quer o melhor exemplo?! A Espanha com o seu "tiqui-taca" acabou por perder com a Croácia! É que nos acontecerá se Fernando Santos não vir aquilo que até um cego vê!...

      Grande abraço.

      Eliminar

PUBLICIDADE