sábado, 25 de junho de 2016

Acredito que Fernando Santos não tenha que se atirar ao lago vestido e tudo!...


SANTOS NO CAMINHO DO MICROFONE?

«A Selecção Nacional morreu e ressuscitou três vezes, depois de ter entrado em estado comatoso logo que o Europeu começou, depois de ter propagandeado aos quatro ventos uma saúde extraordinária, e tem hoje 90 ou 120 minutos para provar que aquela passagem pelos ‘cuidados intensivos’ era apenas um teste à capacidade de sofrimento e à heróica resistência dos nossos combatentes.

Acabaram-se os testes, as aventuras, as concessões, os romantismos, a calma, a paciência e a tolerância. E também já chega de ‘brincar aos médicos’. Agora, quem não matar, nem tem direito a ficar ferido, morre mesmo. Depois do mau comportamento da fase de grupos — Portugal havia calhado no grupo reconhecidamente mais acessível da fase final —, chegou a hora ou da afirmação ou da negação.

O seleccionador nacional é quem está, neste momento, mais exposto. Fernando Santos cumpriu irrepreensivelmente bem, como tenho salientado, o seu papel no pós-bentismo. Desfez-se dos vetos anteriores, abriu a Selecção a todos, recuperou alguns jogadores e o ambiente tornou-se respirável. 20 valores por isso.

Santos livrou-se de alguns dogmas e assumiu esta fase da sua carreira com indiscutível desportivismo, até nos seus regulares contactos com a imprensa. Mais afável, mais aberto, mais colaborante, mais solto. Contudo, vem revelando alguma dificuldade em perceber, durante o Europeu, que o seu meio-campo preferido (com Moutinho e André Gomes) não funciona. E está na altura de perceber. Ou fá-lo hoje, ou corre o risco de seguir o mesmo caminho do microfone: ser ‘atirado ao lago’ pela opinião pública portuguesa.

Adrien e Renato Sanches reclamam presença naquele meio-campo. Adrien porque está em condições de realizar aquilo que Moutinho não está apto a fazer, neste momento (correr muito, pressionar, organizar); Renato Sanches porque tem pulmão, músculo e irreverência, tudo o que André Gomes esgotou no jogo de estreia. E é tempo de se dizer que Rafa, pela velocidade, pelo repentismo e por ser um jogador que também defende quando é necessário, merece ser mais utilizado… 

Não há margem de manobra. Fernando Santos está em exame. Ser eliminado nos ‘oitavos’, mesmo por uma boa equipa como é a Croácia, equivale a um falhanço. E, perante a hipótese de um falhanço, não há outra alternativa senão escolher os melhores. A pior coisa que pode acontecer numa Selecção Nacional, até em razão de antecedentes, é não se perceber por que razão os melhores (a esse conceito, num final de época, deve estar associada a avaliação física e clínica) não jogam. A Selecção Nacional tem de privilegiar os interesses desportivos. Mas já se percebeu que essa é uma tarefa não apenas difícil, mas imensamente desgastante para quem a queira protagonizar. Aproveitar-se o Europeu para se tentar valorizar certos jogadores em detrimento de outros não faz parte das competências do seleccionador. E Fernando Santos tem de saber defender-se dessa ideia que, pela generalização, se pode tornar perigosa.

Os melhores e os mais bem preparados no ‘onze’ é no mínimo o que se deve exigir. Sem clubismos nem intermediações...»

(Rui Santos, Pressão Alta, in Record)

"Comme d'habitude" aí temos Rui Santos sem "papas na língua"! A dizer aquilo que a imensa mairia de adeptos do futebol e da nossa selecção, está cansada de pensar e alguns, poucos na "digna tradição tuga", de dizer!...

Está na hora do "mata-mata", de colocar em  campo os melhores, de "atirar ao lago" todos os "jorges mendes", todos os jogos de espúrios interesses instalados na selecção e juntar-lhes também o arcaico e caduco "catecismo" de Fernando Santos! O seleccionador ou encontra a coragem de atirar essa merda toda para o lago, ou bem pode atirar-se também! Com gravata, tiques e tudo!...

Adrien Silva por direito próprio que assenta em tudo o que dele conhecemos e que demonstrou à evidência na última época ao serviço do seu clube. Renato Sanches porque mesmo ainda verde, verde, muito verde, adivinham-se-lhe o "pulmão, músculo e irreverência" que os três jogos anteriores demonstraram serem impossíveis de esperar num só dos 80 quilos de André Gomes. Finalmente Rafa, porque poderá fazer aportar à equipa das quinas a velocidade, o repentismo e o compromisso defensivo que a selecção ainda não teve, nem ninguém acredita que venha a ter se os protagonistas não forem outros.

E se ao regresso de Raphael Guerreiro pudermos somar a solidez defensiva que naturamente resultará de um outro e mais fiável posicionamento defensivo de Cedric Soares na outra lateral, acredito que...

Fernando Santos não tenha que se atirar ao lago vestido e tudo!...

Leoninamente,
Até à próxima

3 comentários:

  1. Admiro a coragem do sr. Rui Santos. A coragem que lhe faltou sempre de também mandar atirar ao lago o seu amigo Queirós.

    ResponderEliminar
  2. Obviamente, caro Watson...!!!

    A questão é, agora em moldes de finalissima outra..., terá a equipa treinos e mecanismos ou processos com base nesse esquema...?Ou estará (a ser verdade) o engenhocas a sacudir a água do capote dizendo depois... VEÊM nem com o que vocês queriam conseguiram...

    Para todos os efeitos deixo a equipa que deveria ter entrado desde o inicio: Patrício, Raphael, Pepe (Carvalho), José Fonte (Danilo), Cédric, William, Adrien, Nani (Sanches), Rafa, João Mário, Cr7... Quaresma sempre em prontidão

    Mais logo veremos as novidades... Se o motinhas entrar vai apetecer-me ser croata desde pequenino... Ao Adrien direi apenas... Caga nesses gajos e mete-te no avião, antes do intervalo de preferência, direitinho à praia mais próxima (não gosto deste tipo de ferias ativas)

    SAUDAÇÕES LEONINAS

    ResponderEliminar
  3. Parece que o homem acordou... Vamos ver se vamos a tempo...

    FORÇA PORTUGAL

    SAUDAÇÕES LEONINAS

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE