quarta-feira, 2 de julho de 2014

Com alegria e orgulho, à espera de 1 de Julho de 2015 !...



E a I GALA HONORIS SPORTING, a par de se ter revelado uma poderosa manifestação de sportinguismo, terá confirmado a justeza das razões que levaram ao nascimento da ideia da sua implementação: foi finalmente preenchido um vazio notório na nossa vida colectiva.

Esta primeira Gala acabou por nos permitir a descoberta de muitas coisas: umas agradáveis e interessantes, outras nem por isso! Como em tudo na vida, sempre haverá visões diferentes sobre o lado material das coisas e sobre o efémero que a todos envolve. Só os ideiais hão-de permanecer para sempre imutáveis. E o Sporting é um ideal sem conta, peso ou medida.

O local escolhido para a realização do evento, pareceu-me bem escolhido. Por todas as razões, até que o Pavilhão João Rocha seja uma realidade, dificilmente terá concorrente à altura da grandeza do Sporting Clube de Portugal. Logo que isso aconteça, a escolha passará a ser óbvia.

A cerimónia, enfermando naturalmente de pormenores que necessitarão de ser corrigidos, pareceu-me merecer globalmente, uma clara nota positiva. Destacaria no entanto, como pormenor a merecer alteração, o facto de a entrega dos prémios dever ser feita apenas por uma personalidade, evitando a pouco agradável duplicação a que assistimos e o caricato de alguns momentos vividos.

Os momentos de agradecimento dos laureados, também me pareceu pouco conseguido, com o microfone a viajar de mão em mão. Um púlpito central semelhante ao dos apresentadores, resultaria a meu ver, menos confuso, prático e mais interessante.

A permissividade organizativa perante alguns discursos de agradecimento, por extensos, poderá ter ultrapassado os limites do desejável! Sempre será difícil negar ou camuflar egos, mesmo no Sporting! Felizmente que em momentos de alegria, tudo é perdoado, mas que não caia em cesto roto o delito de alguns e que estes possam ser torneados em eventos futuros, com o estabelecimento claro de regras que contrariem egocentrismos estéreis.

O design e a dimensão do troféu, não me pareceram felizes. O tema deverá ser, natural e obrigatoriamente o leão. Mas quer-me parecer que esteticamente seriam obtidos ganhos significativos com a estilização das suas linhas e com uma significativa redução de dimensão.

Em termos de iluminação do evento, penso termos assistido a uma substancial incompatibilidade entre os efeitos idealizados por quem teve a responsabilidade da sua concepção e as exigências de uma transmissão televisiva. Certamente que esse pormenor será acautelado no futuro. 

Pareceu-me em absoluto deslocado e pouco conseguido, o beco em que se viu metido o novo autocarro verde e btranco: uma camisa de onze varas onde foi notória a dificuldade de... transitar. Mas pronto, como é verde e parece ter monopolizado de tal modo os leões disponíveis, não virá mal ao mundo! Curioso que apenas terá sobrado dos pintados no novo autocarro, um leão, ridículo e escanzelado que mais parecia um cão, para o logotipo da SPORTINGTV, e mesmo esse, desaparecido sob intensa pateada, deixou um tal rasto de inibição, que pela primeira vez a máxima de António Oliveira não foi cumprida: um leão tombou e não se ergueu um outro! A menos que no logotipo, aquilo fosse mesmo um cão!

Na apresentação dos equipamentos para as diversas modalidades na próxima época, eles poderão não ser um prodígio de arte e criatividade, mas a nossa fé permanece maior e mais intensa, perante qualquer que seja o desígnio comercial que, infelizmente, terá cada vez mais força.

Quanto aos prémios, foi para mim pacífica a sua atribuição. Partilharei sem pruridos, do sentido de equidade do júri. E se porventura alguma injustiça terá sido cometida, ela poderá perfeitamente ser reparada no futuro, como é apanágio da grande família sportinguista.

O meu aplauso para a decisão de não "emboitar" a Gala com a apresentação de Ryan Gauld. Seria muito negativo misturar alhos com bugalhos!...

Com alegria e orgulho, ficamos à espera do dia 1 de Julho de 2015!...

Leoninamente,
Até à próxima

6 comentários:

  1. Caro Álamo:

    Não assisti à Gala, mas das fotos que vi, apenas dois comentários:
    - autocarro: é novo ou com nova decoração; não percebi.
    - equipamentos: vai desculpar-me, sou tradicionalista. O primeiro jogo que vi ao vivo do Sporting, era muito pequenino, mas dele guardo duas imagens: a de meu saudoso Pai, que me levou pela mão a um jogo à noite, num sítio muito grande (o antigo Alvalade), e a de um senhor que voava de um lado ao outro da baliza, agarrando a bola sempre com uma agilidade e elegância tais, que guardo a imagem dele até hoje. Já adivinhou, o dito Keeper, como se dizia, chamava-se Victor Manuel Afonso Damas de Oliveira, era amigo do meu Pai (como o Ernesto, o Zé Henrique, e o Carlos Gomes).
    Desde essa altura fiquei a desejar que o equipamento de Keeper do Sporting o homenageasse para sempre, sendo ou todo negro, com camisola de gola alta e justa e calção bem largo, como ele usava, ou com a camisola verde.
    Também me faz espécie não ter calções pretos e meias listadas. Tudo tem a ver com tudo, e a tradição, para certas coisas, desculpe a teimosia, tem que ser mantida. Se a Macron faz calções verdes, também faz pretos, e quem manda temos que ser nós, não uns analistas de marketing quaisquer.
    Estou farto de brincadeiras e exercícios de estilo com o nosso equipamento.
    O Sporting começou por equipar totalmente de branco, depois passou a ter a camisola Stromp e calções e meias negras e, nos anos trinta do século passado, camisola e meias listadas com o calção preto. O resto são fantasias.
    Desculpe o desabafo.

    Um grande Abraço deste seu amigo que muito o estima,

    José Lopes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo José Lopes, comungo inteiramente do seu pensamento! Mas talvez me anime uma compreensão maior em relação aos novos desafios - leia-se dificuldades económico/financeiras - dos tempos de actuais. Porém, no equipamento principal, deveria haver uma flexibilidade igual à que existe para com o equipamento Stromp, ou seja, NENHUMA! Que inventassem o que quisessem no equipamento alternativo, mas que parassem quando chegassem ao principal. Mas na situação em que se encontra o nosso Sporting, 2 milhões por ano, a fazer fé nos números tornados públicos que a Macron pagará, é muito dinheiro...

      Nesta condição, deixemos os nossos dirigentes aliviar por ora a tremenda carga que têm em cima dos ombros. Um dia, quando a situação melhorar, talvez seja possível pensar em recuperar os nossos valores.

      Grande abraço deste amigo que também muito o estima.

      Eliminar
  2. Revejo-me completamente neste "desabafo" do srº. José Lopes, haja saúde.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O meu comentário ao amigo José Lopes, é também a expressão do meu pensamento. Mas haja saúde, como diz Mana Azevedo! E se, com calções verdes, formos campeões, penso que seremos capzes de perdoar a "afronta" !...

      SL

      Eliminar
  3. Como as opiniões são como as cerejas...eu alinho nas do Fundão...

    Meus amigos, se os calções fossem pretos...eu gostava...

    "Saíram" verdes...e eu gostei...!!

    O Verde é o ADN do Sporting...nunca pode ficar mal seja no que for...!!

    É claro que respeito as vossas opiniões...mas não me levem a mal, por ter a minha também...!!

    Eu quero é ver a redondinha a rolar e a "descansar" no fundo das balizas adversárias...aconteça isso e creio que rapidamente iremos esquecer se os calções eram verdes...ou eram pretos...!!

    Gostei da Gala...!

    Também achei que há pormenores a necessitar de correcção futura...mas creio que se pode sempre aprender com os erros, mesmo se menores...!!

    Mas foi bonita...!!

    Sporting Sempre...!!

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim amigo Max, "foi bonita a festa, pá"! E que ninguém entenda as minhas palavras como algo de crítica negativa! Gostei, gostei muito! E se para o ano for igual, continuarei a gostar! Se puderem ser corrigidos alguns erros, então será ouro sobre... VERDE!...

      Grande abraço e SL

      Eliminar

PUBLICIDADE