quinta-feira, 6 de julho de 2017

Que faça a barba a todos os barbudos que por aí andam!...


O INVERNO ESTÁ A CHEGAR

«Qualquer pessoa que gosta de futebol quer é ver a bola a rolar, jogadores a brilhar e o xadrez dos treinadores. Bruxarias, mails e quejandos, assustam e divertem mas não são a essência do desporto-rei. Por isso, é tempo para o regresso à acção, enquanto é necessário mais recato de quem está de fora.

Mas não podemos esquecer que todos precisam de arrancar da mesma posição, com condições iguais nos factores que podem interferir nos resultados, para que apenas quem é melhor dentro de campo seja ungido como campeão e não os que detêm os melhores acrobatas e contorcionistas a trabalhar em bastidores.

Na próxima semana estreia a 7ª temporada de "A Guerra dos Tronos". O título desta minha primeira crónica com a camisola do Record é o mantra da Casa Stark, uma das grandes de Westeros na criação genial de George R. R. Martin: "The Winter is coming". Subjacente a este lema de "o Inverno está a chegar" está um aviso e constante vigilância.

E tal como sob cada bandeira dos sete reinos temos as nossas personagens preferidas, heróis como Jon Snow, vilões da estirpe de Theon Greyjoy, estrategas ao nível de Tyrion Lannister, homens de bastidores como Varys ou o Mindinho, por cá também temos uma galeria de personagens que tornam o fenómeno do ruído no espaço mediático, que gira em torno do que verdadeiramente interessa, umas vezes interessante, outras degradante e irrespirável.

A pouco mais de um mês do arranque oficial da época, teremos todos de estar vigilantes. Esperando que haja verdade desportiva para que o futebol e a sua indústria não percam a credibilidade e, mais importante, não se mate a paixão de milhões de adeptos.

Decidi escolher para título da minha coluna semanal «Factor Racional». Porque na irracionalidade que envolve o jogo que amamos, no tribalismo primário da clubite aguda onde o ódio e a cegueira imperam, está na altura de haver intervenções mais racionais. Há tempos para pôr o dedo nas feridas mas o reino do futebol português precisa também de uma terapia de silêncio.

PS: Queria agradecer o convite do António Magalhães para escrever no Record. É um privilégio estar nas mesmas páginas do Bruno Prata, do Rui Malheiro, do Nuno Santos, do Alexandre Pais (entre outros) e um gosto especial ter na página ímpar um dos melhores jogadores de sempre que vi vestido de verde e branco: António Oliveira. Todas as semanas será uma motivação para eu dar o meu melhor aos leitores.

PS2: Nota: Por decisão pessoal, o autor não escreve de acordo com o novo acordo ortográfico.»
(Rui Calafate, Factor Racional, in Record)


Saúdo com enorme expectativa e entusiasmo esta primeira crónica de Rui Calafate no jornal Record, porventura só comparáveis aos que acompanham o bom apreciador de melão na hora da escolha e da compra do exemplar que pretende levar para casa. Ele está perfeitamente consciente da diversidade com que será confrontado quando se abeirar do expositor. E da dificuldade de encontrar o seu favorito, uma espécie quase extinta por razões que a razão desconhece: o apimentado "casca de carvalho", que nos foi legado pelos seus antigos e orgulhosos produtores e que a incúria das estações agrícolas governamentais e ganância dos novos produtores quase fez desaparecer da nossa mesa. Mas carregado de esperança lá vai, em busca da satisfação da sua humana e natural gula, embora não desconheça que mesmo que encontre o que o fará sorrir, terá de ser bafejado pela sorte na hora da escolha: só quando, já na mesa rodeado dos familiares gulosos, brandir a faca e lhe descobrir as entranhas, poderá confirmar se o grau do sabor, do açúcar e da "pimenta" correspondem ás suas expectativas.

Esta primeira crónica de RC, revela-se, na aparência, um sublime "melão casca de carvalho". Contudo, obriga-nos a esperar uma semana, afiando a faca, para só então podermos apreciar a qualidade que se esconde sob a casca.


Da casca rugosa que hoje nos foi apresentada, já nos chega a denúncia de divinais odores sobre a qualidade que nos estará reservada: "regresso à acção", "recato de quem está de fora", sublimação da "qualidade dentro de campo", condenação de "acrobatas e contorcionistas", "vigilância" dos adeptos, "verdade desportiva", "paixão dos adeptos" e... "terapia de silêncio"...

Pois por cá ficamos todos de água na boca, desejando que a faca para cortar o melão, esteja tão afiada... 

Que faça a barba a todos os barbudos que por aí andam!...

Leoninamente,
Até à próxima

1 comentário:

  1. Gostei muito, eu nao leio jornais desportivos, porque se degradaram, devido aos favores que fazem a certks clubes, por acaso o ultimo jornal que abandonei foi o record, pouco depois de me aperceber que tinham la um individuo chamado farinha, no entanto virei aqui a este blogue para ler os escrito deste senhor.

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE