quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

Há gente que não merece pertencer ao Sporting!...


A vitória das derrotas

«Como estaria hoje o Sporting se não tivesse chegado a acordo com sete dos nove jogadores que rescindiram unilateralmente os contratos após o ataque à Academia de Alcochete? As derrotas na FIFA nos diferendos com Rúben Ribeiro e Rafael Leão vieram demonstrar que os leões teriam deixado de ganhar 126 mihões de euros, fruto das transferências posteriormente consumadas de seis deles (Battaglia é a excepção), ficando ainda obrigados a pagar, em acção posterior, chorudas indemnizações a todos os que bateram com a porta depois do 15 de maio de 2018.

Os especialistas em Direito apontavam o caso de Rafael Leão, o menos molestado da barbárie de há quase dois anos, como o menos difícil de o Sporting vencer.... e mesmo assim os leões perderam. O tempo vem, desta forma, dar razão à estratégia de Sousa Cintra, em primeiríssimo lugar, e mais tarde à de Frederico Varandas, que tiveram de colar os cacos e evitar que o Sporting fosse hoje um clube falido. Não tecnicamente falido, que a expressão encerra alguma subjectividade, mas real e irremediavelmente falido.

A segunda mão dos 16 avos de final da Liga Europa começou mal para Portugal, com a eliminação do Sp. Braga. O caminho percorrido durante a era Sá Pinto merecia outro desfecho.»
(Luís Pedro Sousa, Saída de Campo, in Record, hoje às 02:07)


Lamentavelmente, ainda hoje, quase dois anos passados sobre a página mais negra de toda a história do Sporting Clube de Portugal, há adeptos sportinguistas que não conseguiram, nem algum dia conseguirão, aferir a verdadeira dimensão dos acontecimentos ocorridos na Academia em 18 de Maio de 2018 e de todas as dramáticas consequências que poderiam ter riscado definitivamente o Clube do mapa das instituições mais relevantes do desporto em Portugal.

Em muitas e variadas manifestações, mas muito particularmente por detrás de obscuros teclados, porta dos fundos de uma degradada atmosfera que continua a inundar redes sociais e caixas de comentários de jornais, revistas e blogs, a cegueira campeia, desbragada e quase irracionalmente, candidata ao último lugar do ranking da decência entre todos os adeptos de clubes portugueses.

Pesem embora os tão manifestos quanto naturais erros de uma Comissão de Gestão empurrada de surpresa para as trincheiras de uma frente de batalha medonha e de quem, democraticamente, lhe sucedeu na terrífica operação de colar os cacos e prosseguir, de cara levantada, o histórico caminho de uma instituição centenária que a todos deveria orgulhar, ainda assistimos hoje, dentro de um universo de quase quatro milhões de adeptos, associados ou meros simpatizantes, a quem se julgue no direito de prosseguir aquilo que um bando de energúmenos e irresponsáveis, directos ou indirectos, começou por fazer nesse fatídico dia de 18 de Maio de 2018.

Há gente que não merece pertencer ao Sporting!...

Leoninamente,
Até à próxima

6 comentários:

  1. Ambos os lados baseiam a sua argumentação em "se"s.
    Lindo.

    ResponderEliminar
  2. CONANA continua na sua obstinada missão de provar que há sempre alguém sem capacidade de raciocínio para assumir o papel de capacho da sociedade. FORÇA CONANA!

    ResponderEliminar
  3. Não era na FIFA que o Sporting teria hipotese de contestar as rescisões.
    Toda a gente sabia que iria dar para o TAS. É aguardar.

    ResponderEliminar
  4. Ainda não perdemos o caso do Rafael Leão! É excessivo o dinheiro pedido, mas ninguém falou relativamente à justa causa! Quanto ao resto há muita gente,dentro,mas também de fora a querer acabar com o clube! Incluindo muitos destes Jornalistas...

    ResponderEliminar
  5. Mas, um aparte!! Se eu li bem, a FIFA declarou-se incompetente para julgar o caso Rafael Leão!! Não houve portanto uma decisão a favor ou contra nenhuma das partes!!
    O processo segue no TAD que é neste momento a entidade competente para julgar e decidir!!
    Creio que é isto!!!

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE