segunda-feira, 10 de março de 2014

Em Roma, sê romano!...



Quando o Presidente de um clube, a quem o Sporting Clube de Portugal, num gesto que deveria ser tomado com a devida consideração, empresta dois jogadores na última janela de mercado, e sem cometer deselegâncias, nem violar o que está regulamentado, permite que esse mesmo clube utilize os jogadores nos jogos que disputarem entre si. vem a público produzir estas declarações, o mínimo que se lhe pode chamar, será... pobre e mal agradecido!

A criatura, pensando embora o que melhor lhe aprouvesse e circunscrevendo esse pensamento ao seu círculo de amigos e de interesses, deveria ter a decência, a elevação e o decoro de não produzir tais "bitaites" para a CS. José Couceiro não precisou de ser deselegante, nem cuspir no prato da sopa.

Que este episódio sirva de lição aos dirigentes do Sporting. A maior parte dos clubes portugueses, pela qualidade das pessoas que os lideram, jamais merecerão semelhantes cortesias e atenções.

Pelo rumo que o futebol português parece indiciar que terá nos próximos tempos, será de colocar muito seriamente a questão de prosseguir, quixotescamente, o rumo da decência e da legalidade, que sempre temos procurado prosseguir, ou se não será mais razoável imitar a postura de clubes que cedem jogadores, por exemplo, Abdoulaye e Miguel Rosa, sendo que todos sabemos que haverá mais umas largas dezenas, com o compromisso implícito de não os utilizarem nos jogos que o clube receptor venha a disputar com o clube de origem.

De tudo o que está regulamentado, quase todos os clubes "emprestadores", continuam a fazer tábua rasa, na maior das impunidades, sem que a Liga e a respectiva Comissão de Instrução e Inquéritos, se incomode ou sequer perca tempo com isso, com o argumento de que será sempre muito difícil de provar o dolo. Estamos num país onde o dolo parece ser impossível de provar, mas o Sporting continua armado em D. Quixote e quando olha para trás, nem Sancho Pança consegue vislumbrar: está sózinho nos cornos do touro!

E lá vamos, sendo chamados e tratados como "anjinhos"! É doloroso e descoroçoante. Nomeadamente, quando uma figura com o passado de Fernando Oliveira vem dizer o que disse.

Acho que estará na hora de tratarmos da nossa vida e... "em Roma passarmos a ser romanos também" !...

Leoninamente,
Até à próxima

1 comentário:

  1. Sempre o afirmei, não haver qualquer razão para que um jogador emprestado não pudesse dar o seu contributo à equipa onde trabalha...contra o Clube que o emprestou...

    Realmente, depois "de uma saída" destas (olhe amigo Álamo como ele é amigo do bufas...aplicava-se aqui a propósito...aquela saída do Bocage...), entendo que o nosso Clube também tem de deixar de ser "anjinho"...

    Eu sinto um orgulho muito grande quando meu Clube é verdadeiramente diferente e pugna sempre em primeiro lugar...pela transparencia desportiva...
    Mas já chega de nos andarem a comer "as papas na cabeça"...

    Há coisas em que temos de ser como os outros ...:"sacaninhas..."
    Então ...andamos nós a ajudar uma "bestiuncula" destas e depois somos mordidos na própria mão que se estende amigavelmente...?

    Não não pode ser...ou há moralidade, ou comem todos...!!

    Não quer dizer que passemos a ser uns "Corneolis", porque isso é matéria "que paga direitos" de autor...por muito que nos pudessemos "refinar"...nunca seríamos como o dom buffas...!

    Mas também não há razão...para continuarmos a fazer de parvos...!!

    SL

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE