quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Ao menos que haja força!!!...



Nada fácil, muito menos bonito, a partir do momento em que o esforço de uma primeira parte minimamente conseguida se começou a reflectir no rendimento dos comandados de Jorge Silas. A partir daí começou o sofrimento dos adeptos sportinguistas, que assistiram ao empate dos pacenses e apenas voltaram a sorrir por duas vezes até ao final da partida: com o penálti que caiu dos céus aos trambolhões, convertido por Bruno Fernandes e com o apito final do árbitro Rui Costa.

Dá que pensar o tremendo défice de capacidade física demonstrado por toda a equipa a partir de alguns minutos antes de se completar a hora de jogo, invariavelmente em cada jogo, em todos os jogos e com tendência para continuar até que alguém tenha a coragem de dar um murro na mesa para dizer que "o rei vai nu"! Porventura ainda reflexos de uma péssima pré-época e da pouco menos que inclassificável preparação que terá sido e, sem fim à vista, pelos vistos continuará a ser ministrada.

Quando é que alguém decide pôr termo a isto? Será preciso ir buscar o senhor Roger Thomas Spry?! Não haverá por cá quem perceba 'alguma coisinha' da poda, para devolver à equipa os índices físicos normais?!...

Já que escasseia o talento...

Ao menos que haja força!!!...

Leoninamente,
Até à próxima

Só acredita quem quer!...



FREDERICO VARANDAS DISPOSTO A CONVERSAR COM AS CLAQUES?!...

Acreditar nos propósitos manifestados num dos últimos comunicados da claque Juventude Leonina, no sentido de estarem os seus actuais dirigentes disponíveis para tentar ultrapassar através do diálogo com a única parte lesada no absurdo diferendo criado pelo inadmissível comportamento que até agora protagonizaram, será o mesmo que acreditar na alteração da natureza do escorpião da velha história que terminou com a previsível, anunciada e terrível morte do ingénuo sapo.

E até a 'candidatura ao nobel da paz' pretensamente apresentada hoje pelo jornal A Bola, assente em alegada mas naturalmente suspeita, quiçá até inventada, garantia de "fonte leonina", de que "o Presidente estará disposto a reunir com quem quer que seja, como sempre esteve, mas não está aberto a abdicar da defesa dos superiores interesses do Sporting", será tão credível aos olhos de todos os sportinguistas, quanto 'altruístas' e desinteressados os propósitos do jornal.

Só acredita quem quer!...

Leoninamente,
Até à próxima

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Um único caminho: vitórias!...


Convocados de Jorge Silas para Paços de Ferreira
Wendel continua de fora; Ristovski chamado pela primeira vez

Jorge Silas convocou pela primeira vez Stefan Ristovski para um encontro da Liga NOS e o lateral direito leonino, que iniciou a temporada lesionado, poderá estrear-se frente ao Paços de Ferreira, na nona jornada, numa lista em que ficou ausente Rosier, que saiu do duelo com Vitória de Guimarães (3-1) com queixas físicas e não viajará com a equipa até Paços de Ferreira, tal como Rodrigo Fernandes e Gonzalo Plata, estes por opção.

Na antevisão da visita ao Paços de Ferreira, amanhã, às 19h45, entre outras matérias candentes da actualidade sportinguista, Jorge Silas abordou a necessidade de o Sporting manter a sua baliza fechada, num jogo que espera ser "difícil" frente a uma equipa que está ansiosa por sair do fundo da tabela classificativa:

Melhorar a defesa


"Quando chegámos a primeira preocupação foi ao nível defensivo e ainda está a ser. Os golos aqui pesam muito. Achamos que o melhor seria, e continua a ser, trabalhar a consistência defensiva. Dez golos sofridos por uma equipa que quer lutar pelo título é muito. Ainda não chegámos ao fim do primeiro terço do campeonato e já temos 10 golos sofridos... Vamos lutar com as mesma armas, com mais um ou dias de trabalho. Será um jogo difícil, o Paços de Ferreira tem 5 pontos, 4 deles conquistados em casa. Eles têm de começar a ganhar mais jogos, sabemos que têm mais esse 'problema'. Vão tentar a todo o custo vencer e nós também. A nossa próxima meta é os 17 pontos, temos ido jogo a jogo, mas agora nada mais nos interessa do que os 17 pontos. O Paços é equipa boa, bem orientada e que em casa cria problemas." 


Wendel

"Já sabem o que aconteceu. Wendel não matou ninguém, mas temos valores que importam cumprir. Vamos ver como reage. A única coisa que digo é que continuamos a acreditar nele. Não é minha intenção perdê-lo. Sou das pessoas que menos gostam desta situação que não foi criada por mim. Agimos de acordo com os interesses superiores do Sporting e não está fora de questão ele poder voltar, isso nunca me passou pela cabeça. É um jogador de enorme potencial que queremos ajudar, mas tem de querer ser ajudado."

Equipa B

Silas aplaude a decisão do Sporting de fazer regressar a equipa B. O treinador considera que os jogadores jovens terão mais margem para evoluir e assim progredirem até à equipa principal:

"O Sporting não devia ter acabado com a equipa B. O Pedro Mendes foi promovido pelo Leonel mas dei continuidade porque acho que tem características que nos podem ajudar muito. O Rodrigo fui eu, mas qualquer outro treinador teria apostado nele, pela sua qualidade. Há mais alguns jogadores nos Sub23 que num futuro próximo nos podem ajudar."


Jesé Rodríguez

"Ele já vinha a treinar bem e está a ficar com uma condição física importante. Não é qualquer jogador que joga no Real Madrid, no PSG ou até mesmo no Betis, do ano passado, que era uma equipa muito boa. Sabemos o jogador que temos. Tem muito potencial e o golo é fruto do trabalho dele. Vai continuar a ser opção, esteve a um nível bom. Se calhar ainda não consegue manter esse nível por 90 minutos, mas é um jogador que pode vir a ser muito importante para nós."

Gestão do esforço de Mathieu

"No dia em que ele sinta que não está bem não vamos correr riscos. É uma questão de diálogo, sei o que é isso, joguei aos 40, fazer três ou quatro jogos seguidos há maior risco de lesão. Vamos falando com ele. Tem-se portado como um jovem, ainda agora foi um dos melhores em campo. É porque está bem fisicamente."

Vietto ou Luiz Phellype 

"São todos importantes, depende das características do jogo e do adversário, não tenho preferências por nenhum em especial, prefiro ter jogadores diferentes no plantel, para depois poder ter mais opção de escolha."

Dependência de Bruno Fernandes

"É difícil perdermos a dependência do Bruno porque ele envolve-se muito em tudo. Mas não queremos perder isso. Ele é um jogador decisivo. Se tivermos mais gente para o ajudar, melhor. Mas claro que ele tem muito peso no nosso jogo, é um dos melhores em Portugal e não aproveitar um jogador desses seria absurdo".

Alterações no onze

"Temos muitos jogos seguidos, não podemos pensar só no Paços, temos o Tondela poucos dias depois, a seguir o Rosenborg... Isto obriga a ajustes e descanso para alguns atletas. É provável que possam existir mudanças a pensar nisso, depende da resposta que tivermos ao nível físico dos jogadores."
(Excertos vários hoje publicados pelo jornal Record)


Um único caminho: vitórias!...

Leoninamente,
Até à próxima

"Arriscar seja qual for o espaço"!...


Equipa B volta à acção na próxima época
Miguel Quaresma revela, em exclusivo, o projecto em marcha com vista à evolução dos jovens leões

«A equipa B do Sporting vai voltar à acção já na próxima época e, nesta altura, falta apenas saber em que escalão do futebol nacional vão jogar os jovens leões. A SAD verde e branca pretende o regresso dos ‘bês’ no patamar competitivo mais alto possível e está, desse modo, em negociações com a Liga e a Federação Portuguesa de Futebol para perceber onde se irá inserir o conjunto secundário.

Recorde-se que os ‘bês’ leoninos desceram de divisão na temporada 2017/18. O 18º lugar na 2ª Liga valeu a despromoção para o Campeonato de Portugal, mas na época seguinte o projecto foi cancelado e, agora, os leões procuram perceber como se efectuará o regresso.

A base da formação B sportinguista será a presente equipa de sub-23, bem como alguns elementos que alinham nos sub-19. Dependendo do patamar competitivo, poderão incluir-se ainda jogadores com mais experiência, mas que ainda necessitem de uma etapa abaixo da turma principal.

Miguel Quaresma, director técnico da formação do Sporting, salienta, a importância dos ‘bês’ no plano traçado pela administração verde e branca, liderada por Frederico Varandas. "Vim para o Sporting porque partilhava uma visão com o presidente, para a formação, que passava, de início, por transitar de imediato os jogadores com maior potencial para as equipas de escalões superiores. Foi o que fizemos", lembrou Quaresma, sublinhando que agora é altura de outros saltos para os jovens leoninos: "Precisamos de um espaço competitivo diferente, porque esta equipa de sub-23 precisa de evoluir, e isso passa pelo regresso da equipa B."

"A decisão sobre o campeonato que vamos integrar está a ser trabalhada. Espero que possamos integrar uma competição exigente, mas vamos avançar, seja onde for", confirmou o dirigente, assumindo o "retrocesso enorme" que foi o fim dos 'bês'.

"Fundamental é não nos atrasarmos mais. Ainda há muita coisa para fazer. Agora há uma visão, uma ideia de futuro, uma proposta estratégica para a formação", vinca Miguel Quaresma, que fez questão de sacudir a pressão dos miúdos: "É preciso que nos deixem trabalhar. A formação precisa de tranquilidade, não é um trabalho de curto prazo. Estamos a tentar acelerar este processo. Sabemos que não temos muito tempo, mas precisamos dele."

O dirigente sportinguista ainda pisca o olho ao regresso directo à 2ª Liga, pois a evolução dos jovens assim o requisita: "Tem de ser um espaço estimulante". "Mas vamos arriscar, seja qual for o espaço", remata.
(Vítor Almeida Gonçalves, in Record, hoje às 05:24)


Há erros que no futuro se acabam por pagar por elevadíssimo preço. A extinção da equipa B do Sporting, decidida precipitada, irreflectida, quiçá até loucamente, por Bruno de Carvalho, terá sido um deles, provavelmente maior do que a palmatória!...

Agora restará apenas àqueles que procuram remediar o tremendo erro cometido, enfrentar a realidade e, independentemente do que venha a ser decidido por quem de direito...

"Arriscar seja qual for o espaço"!...

Leoninamente,
Até à próxima

terça-feira, 29 de outubro de 2019

Só há um caminho para isso: a vitória!...



Nada, rigorosamente nada, poderá fazer com que Jorge Silas e os seus leões possam perder o foco para Paços de Ferreira! Estão proibidos, ouviram?!...

Nem as recorrentes e incorrigíveis 'criancices' de Wendel...
Nem a infantil, incontrolável e publicitada nas redes 'veia artística' de Jésé...
Nem a 'última coca-cola' descoberta por José Eugénio...
Nem o 'desalinhamento' dos almoços alinhados de Aveiro...
Nem o 'desconsolo, raiva e ódio' de uma qualquer desalinhada claque...

Nada, nada, nada, poderá ensombrar o fantástico e aplaudido desígnio proclamado por Luís Figo:

«O que queremos todos é que o Sporting funcione e tenha resultados!»

Só há um caminho para isso: a vitória!...

Leoninamente,
Até à próxima

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Esta tua humildade também!...

Aos 18 anos, uma impressionante estampa atlética para a posição

Rodrigo Fernandes e a estreia pelo Sporting: «A pouco a pouco espero conquistar o meu espaço»
Médio de 18 anos revela objectivos pessoais e os ídolos no futebol (LINK)

«É um momento pelo qual trabalhei mais de dez anos. Estrear-me com 18 anos é um sonho de muitas crianças que crescem como jogadores de futebol. Estar ainda na escola, já dar este grande passo e, até, praticamente viver do futebol... É um orgulho enorme. [...]
Fez-me lembrar um filme, o Bolt. Foi uma sensação muito parecida àquela que retrata o filme. Entrar e ver tanta gente nas bancadas… Fiquei a pensar ‘Wow, o que estou a fazer aqui?’.Tive aquela pressão normal. Estava muito preocupado com o primeiro toque na bola, era essencial. Quando o consegui, as coisas começam a sair. [...]
A pouco a pouco espero conquistar o meu espaço. Subi uma montanha pequena e agora chegou a verdadeira montanha. Agora é que começou a minha carreira, ainda não mostrei nada. Estrear-me em cinco minutos foi bom, mas tenho de mostrar muito mais, para ser um jogador de topo. Quando chegamos aqui, o objectivo é ganhar títulos, títulos e títulos. [...]
Desde criança que o meu ídolo no futebol é o Cristiano Ronaldo, pelo que já alcançou e vai ainda alcançar. Na minha posição, é o William Carvalho, tem um estilo semelhante ao meu. [...]
Treinar com os jogadores com quem jogava, consola... É aquela emoção 'Wow, estava a jogar com ele no FIFA e agora é meu companheiro de equipa'. É fantástico!...»

Que a sorte, muita sorte, sempre te acompanhe, Rodrigo, mas nunca esqueças o mais importante: o trabalho e...

Esta tua humildade também!...

Leoninamente,
Até à próxima

Para que não deixemos de caminhar!...


'Reset' às claques

«Indo ao site do Sporting ninguém diria que a direcção do clube tem um problema com as suas claques. Entrando em "Iniciativas", na área do 12º. jogador, pode ler-se que "o Sporting Clube de Portugal conta com quatro decisivos grupos organizados de adeptos, que se fazem notar pelos seus originais cânticos e constantes deslocações, ora em Portugal, ora pela Europa".

Um pouco mais à frente lê-se que "foi já na era Bruno de Carvalho que os Grupos Organizados de Adeptos depois de várias tentativas falhadas do passado chegaram a acordo com o Sporting Clube de Portugal para a união de todos os grupos na Superior Sul do Estádio de Alvalade". Tendo em conta o louvor que faz ao seu antecessor, e às claques onde ainda tem apoiantes, é de presumir que Frederico Varandas não frequente esta página do site há algum tempo.

Nela se explica ainda que o Sporting é composto por quatro Grupos Organizados de Adeptos (GOA), que são brevemente apresentados elogiando-se os seus valores na paixão e apoio ao clube: Juventude Leonina, Torcida Verde, Directivo Ultras XXI e Brigada Ultras Sporting.

Pena é que o maravilhoso mundo que ali se descreve esteja a léguas da realidade. A encabeçar a página há um título escrito a verde: "O apoio incondicional". Será assim o de muitos sportinguistas, mas não é assim nas claques, ainda que a generalização possa ser injusta. Lá estar tornou-se um negócio de bilhetes, quotas e dívidas – e em alguns casos de actividades ilícitas. Não é por amor ao clube, é por amor próprio.

Esta é apenas uma parte da péssima reputação que as claques têm em Portugal (e em vários outros países). A pior é mesmo a cultura de intimidação e violência – que chega a ser extrema – física e verbal. As claques são cada vez mais um sinónimo de insegurança e menos de apoio. Que mãe ou pai pode gostar de ver um filho juntar-se a uma claque quando isso significa aderir a um quadro de valores totalmente errado?

A Juventude Leonina ou o Directivo XXI acreditam que os insultos e ameaças a Frederico Varandas vão ditar a queda do presidente. Não será por aí. A esmagadora maioria dos sportinguistas não se revê na violência que as claques representam. Depois do ataque a Alcochete e do enorme prejuízo que provocou, não se revêm sequer em certas claques. Podem até não concordar com o rumo seguido pelo actual presidente, mas não antipatizam com a reacção.

Frederico Varandas, que já ‘militou’ na Juventude Leonina, rasgou os protocolos, proibiu tarjas e deu agora ordem para que aquela claque e o Directivo XXI abandonem as instalações nas imediações do estádio. O castigo é severo, mas impõe-se e revela coragem.

As claques não devem ser subservientes ao presidente, como no tempo de Bruno de Carvalho. Têm todo o direito de o criticar, mas têm de fazê-lo sem violência ou perderão sempre a razão.

Quem faz as claques são os seus líderes e as claques em Portugal precisam de um "reset". Têm de construir uma reputação diferente, ser uma referência dos valores nobres do desporto e do clube, assumirem-se até como uma extensão da responsabilidade social da instituição. Têm de ajudar a vender o clube, em vez de serem apenas uma fonte de despesa e multas. Têm de se tornar um orgulho para todos os sócios e adeptos, uma razão para a sua mobilização. Se não o fizerem, estarão condenadas à irrelevância no futebol moderno.»
(André Veríssimo, director do Negócios, Linha de Fundo, in Record, hoje às 17:48)




Para que serve então a utopia?!...

Para que não deixemos de caminhar!...

Leoninamente,
Até à próxima

O que tem de ser tem muita força!...



Wendel despromovido à equipa de Sub23 do Sporting
Jogador voltou a infringir, pela quarta vez, o regulamento disciplinar do clube (LINK)

Sem emenda?! Será a ideia com que todos ficamos! Porém, para grandes males, grandes remédios! E que nunca doam as mãos a quem, no Sporting, tiver a responsabilidade de grandes ou mesmo drásticas decisões!...

Última oportunidade?! Se tiver de ser...

O que tem de ser tem muita força!...

Leoninamente,
Até à próxima

À consciência de Artur Soares Dias!...



Bruno Fernandes mostra olho negro e deixa pergunta a guarda-redes do V. Guimarães
Médio leonino recorda lance com Miguel Silva no jogo de domingo, em Alvalade

Aqui do meu canto, entendo como irrelevante e tempo perdido colocar a questão a Miguel Silva, que nem um pedido de desculpas apresentou ao agredido...

A questão deveria ir direitinha, para além dos analistas que julgaram o lance como normal...

À consciência de Artur Soares Dias!...

Leoninamente,
Até à próxima 

domingo, 27 de outubro de 2019

Lenços brancos para as claques!!!...



Claques do Sporting visaram Varandas e levaram forte assobiadela 
Cântico contra o presidente foi mal recebido pela plateia leonina

«A determinado momento da segunda parte do jogo com o V. Guimarães, com o marcador em 2-0, as claques entoaram um já habitual cântico de contestação a Frederico Varandas, o que levou à reacção de praticamente toda a restante plateia de Alvalade, que respondeu com uma forte assobiadela. 'Silenciados' pelos restantes adeptos, os elementos das claques terminaram o momento de contestação.»


Assobios que os abafem, já essa gente começou a ouvir em Alvalade! Agora faltará apenas que os adeptos sportinguistas presentes no estádio, comecem, enquanto assobiam, a acenar com...

Lenços brancos para as claques!!!...

Leoninamente,
Até à próxima

O caminho faz-se caminhando!...


Com o odioso Mr. Murphy impedido de entrar em Avalade, o Sporting foi capaz de superar o Vitória, tanto no resultado, quanto na tabela classificativa, ocupando agora o quarto lugar, com 14 pontos, mais 2 que o adversário desta noite, a 5 do Famalicão e a 7 dos dois primeiros.

Quem deveria ter sido impedido de entrar em Alvalade, adivinharam todos aqueles que pensaram em Artur Soares Dias. De facto só a este árbitro medíocre lembraria, mesmo com a ajuda das imagens do VAR, não marcar a grande penalidade cometida sobre Bruno Fernandes - agressão evidente! - pelo guarda-redes vimaranense, aos 47 minutos, com a concomitante amostragem do adequado cartão vermelho.



Nota final para a estreia do 'puto' Rodrigo Fernandes, em substituição do 'rebentado' Eduardo Henrique. Pelo que mostrou em meia dúzia de minutos, sem que lhe tremessem as perninhas, quer-me parecer que a sua entrada terá pecado por tardia. Mais oportunidades terá, pela certa.

A equipa leonina está a subir de produção, embora não tão rapidamente quanto os adeptos sportinguistas desejariam, e a prova estará no facto de que não haverá muitas equipas em Portugal capazes de alcançar a justa vitória esta noite conseguida pelos leões, sobre esta equipa muito arrumadinha, que pratica um futebol de excelência e vinha de fazer tremer o Emirates ainda há poucas horas.

O caminho faz-se caminhando!...

Leoninamente,
Até à próxima

Em frente Presidente, o Sporting é nosso outra vez!...


Frederico Varandas esteve em cinco reuniões com as claques do Sporting

Presidente manteve a via do diálogo aberta durante 13 meses. Incidentes graves precipitaram corte

«A ruptura com as claques Juventude Leonina e Directivo Ultras XXI começou a desenhar-se logo após a tomada de posse de Frederico Varandas, em Setembro de 2018, mas até ao ponto de não retorno o presidente procurou esgotar todas as vias para uma convivência institucional normalizada. E tanto assim que, durante os primeiros 13 meses de mandato, Varandas participou pessoalmente em cinco reuniões com os grupos organizados de adeptos (GOA).

"Ajudem-me a ajudar-vos" foi uma das ideias que o presidente eleito tentou transmitir, repetidamente, nesses encontros, ele que também pertencera a uma claque. O momento, pós-ataque a Alcochete, era ainda de grandes pressões para que o corte com os GOA, nomeadamente com a Juve Leo, fosse imediato e pela raiz, mas Varandas preferiu o corte de regalias, desde logo das chamadas 'borlas' ou bilhetes gratuitos. O problema, então como hoje, nunca foram os GOA em si, mas as lideranças dos mesmos. Um exemplo dessa realidade foi a proposta da direcção para que os elementos das claques pudessem adquirir, individualmente, ao clube, uma Gamebox que englobasse tudo, por 120 euros, bastando para tal fazer prova de que eram sócios do Sporting e do respectivo GOA. Esta sugestão foi recusada. As claques preferiram comprar os lugares anuais e serem elas a vendê-los aos seus associados, decidindo o preço.

A via do diálogo fechou-se por completo após dois incidentes graves: a tentativa de invasão das garagens de Alvalade e o arremesso de pedras contra o carro do vogal Miguel Afonso. O receio de uma tragédia pior do que Alcochete fez soar os alarmes.
(Bernardo Ribeiro,Ricardo Granada e Vítor Almeida Gonçalves, in Record, hoje às 06:45)

Ainda haverá por aí hoje, quem se lembre de exigir mais paciência e diálogo a Frederico Varandas! Como se reuniões consecutivas de duas em duas semanas não fossem suficientes para encontrar o consenso e a harmonia dentro do Sporting! Mas o problema estão todos os sportinguistas fartos de saber qual é!!!...

Em frente Presidente, o Sporting é nosso outra vez!...

Leoninamente,
Até à próxima

sábado, 26 de outubro de 2019

Há por aí um exorcista disponível para amanhã?!...


Há por aí um exorcista disponível para amanhã?!...

Leoninamente,
Até à próxima

Terá Jorge Silas no pensamento uma surpresa?!...


Matheus Nunes irá fazer de Wendel a curto prazo?
Silas vê médio brasileiro de 21 anos como opção na posição 8 e coloca-o na rampa de lançamento

Matheus Nunes só muito recentemente foi promovido à equipa principal do Sporting, mas já é caso para dizer que o médio chegou, viu e está... muito próximo de vencer. Com efeito, o jogador de 21 anos, que vinha a ser uma das peças mais preponderantes nos Sub23 dos leões, tem revelado bons pormenores nas sessões orientadas por Jorge Silas, ao ponto de estar já na rampa de lançamento para assinalar a estreia oficial pela equipa principal. Aliás, ao que se sabe, ultimamente Matheus Nunes tem sido testado na posição 8, habitualmente entregue ao brasileiro Wendel, e é encarado como uma opção válida para fazer as vezes do compatriota quando assim for entendido como necessário.

Apesar da facilidade que tem demonstrado em fazer várias posições no meio-campo, já nos Sub23 Matheus Nunes cumpria esta função no 4x3x3 desenhado por Leonel Pontes e exibia características que fazem dele o protótipo de um ‘box-to-box’, nomeadamente qualidade de passe, transporte de bola e um 'agradável e insuspeito pulmão’ para subir e descer no terreno.

A ideia da equipa técnica liderada por Jorge Silas talvez não passe por lançá-lo no imediato, ou seja, no jogo de amanhã com o V. Guimarães. Tudo aponta no entanto, para que o médio venha a ser trabalhado para poder ser opção na série exigente que se avizinha - cinco partidas em duas semanas, até 10 de Novembro, entre campeonato e Liga Europa, ganhando assim Wendel mais concorrência, que já se verifica com a 'sombra' de Eduardo Henrique ao habitual titular.

Há muito que não poucos sportinguistas que, acompanhando com mais proximidade os nossos Sub23, vinham comentando a sua estranheza por um jogador com a qualidade de Matheus não ter sido chamado mais cedo à equipa principal. Parece que o actual técnico leonino afinará pelo mesmo diapasão...

Terá Jorge Silas no pensamento uma surpresa?!...

Leoninamente,
Até à próxima

E depois é o Sporting que está em crise?!...


O melhor está de fora

«1 O Benfica sofreu o mais duro golpe da temporada com a lesão de Rafa no jogo frente ao Lyon. Os encarnados perdem, pelo menos até Fevereiro, aquele que se tornou o melhor jogador da equipa. Se na segunda metade da época passada esse estatuto poderia ser dividido com João Félix ou até com Pizzi, no ano futebolístico em curso não restam muitas dúvidas de que ele era o elemento mais desequilibrador. Com este infortúnio, nem à esquerda, nem da esquerda para o meio, nem no apoio directo ao ponta-de-lança, como Bruno Lage experimentou com sucesso frente à formação francesa na partida para a Liga dos Campeões... Terá o Benfica agora alternativas capazes de disfarçar a ausência do seu melhor elemento? Não faltam opções em número mas não em qualidade. O técnico do Benfica pode utilizar Gedson na direita, fazendo derivar Pizzi para o flanco oposto. Tem ainda a hipótese de conceder definitivamente a titularidade a Taarabt, o seu ‘menino querido’, colocando o marroquino a movimentar-se para o interior do terreno... e sobram ainda Cervi, Caio Lucas, Jota e até Zivkovic, obviamente no pressuposto de que Chiquinho ocupará o seu lugar de apoio ao ponta-de-lança, não se perdendo em terrenos que não são os seus. A questão não é, volto a frisar, quantitativa mas qualitativa. De todas as variáveis da equação, sobressai, de qualquer forma, o caso de Jota, que até é um ala de origem. Talento não lhe falta, mas a verdade é que o jovem formado na Luz tarda em assumir-se como solução e que Bruno Lage, depois de uma ou outra tentativa mais ou menos envergonhada de lhe dar protagonismo, deixa-o agora, quase invariavelmente, entre o banco e a bancada.

2.Tal como se esperava, o CD da FPF decidiu arquivar a queixa do Sporting contra o Alverca, relacionada com a hipotética utilização irregular de Luan na partida da Taça de Portugal. Os leões não vão recorrer. No meio de tanto atabalhoamento e impreparação, houve alguém lúcido em Alvalade que decidiu colocar uma pedra sobre o assunto, evitando nova afronta aos adeptos, que, face às circunstâncias, acompanhavam o caso com natural constrangimento.

3. Em termos de medidas político-administrativas, aliás, a direcção do Sporting já conheceu piores dias. Depois do que se passou no Pavilhão João Rocha, Frederico Varandas teve mais um acto corajoso em relação às claques. Por muitos votos que garantam, por muito barulho que produzam, por muitas ameaças que façam, os clubes são dos sócios e não de qualquer grupo, por mais numeroso e ruidoso que seja. E, valha a verdade, o motivo da discórdia num passado recente não foram apenas os resultados negativos e a desorientação directiva, mas também a perda de benesses que muito jeito dava a um punhado de indivíduos.»
(Luís Pedro Sousa, Hat Trick, in Record, hoje às 17:31)

Três golos desenxabidos de Luís Pedro Sousa, com pouco sumo e sabor pouco convidativo, a provarem algumas dificuldades de preencher os espaços que a redacção impõe para agarrar os incautos adeptos.

O primeiro extraído de melancia boleca, quase intragável de tão indisfarçável  e pouco simulada preocupação do escriba; o segundo, de limão tão cediço, que quase implora o copo emborcado na sanita; quanto ao terceiro, quiçá de alguma laranja serôdia apanhada do chão, de tão batido, repisado, tardio, retardio e plagiado tema...

E depois é o Sporting que está em crise?!...

Leoninamente,
Até à próxima

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

Dias da Cunha nunca foi homem de fretes!...


"Claques defendem Bruno de Carvalho" 
Dias da Cunha ao lado de Varandas. Último presidente campeão em Alvalade considera que grupos organizados admiram Bruno de Carvalho, o que também justifica os comportamentos recentes. Dias da Cunha visa ainda os que se perfilam para a sucessão de Frederico Varandas. (LINK)

«António Dias da Cunha considera que Frederico Varandas fez bem em cortar os benefícios às claques. 

Em declarações a Bola Branca, o ex-presidente do Sporting, entre 2000 e 2006, aplaude a decisão tomada pela actual direcção, numa altura em que Varandas e seus pares mantêm uma desavença com "Juventude Leonina" e "Directivo Ultras XXI", em particular.

"Têm sido um problema sério. Eu acho que ele o resolveu muito bem, com a decisão que tomou. No meu tempo, passámos a dialogar regularmente e acertávamos aquilo que havia que acertar. Foi um relacionamento excelente até eu ir embora", começa por adiantar Dias da Cunha, de 86 anos, para quem o problema esconde ainda uma cara.

"As claques são, desde do princípio, contra ele, porque defendem o Bruno [de Carvalho]. As claques querem correr com ele e isso torna as coisas muito difíceis, porque [Bruno de Carvalho] é quem eles admiram e consideram", defende o antigo presidente, que considera que Bruno de Carvalho está a instrumentalizar as claques.

"Não são só as claques" que dificultam a missão de Varandas 

Todavia, também, para o último presidente campeão pelo Sporting, não são só as claques que têm dificultado a missão do actual Conselho Directivo. Sem concretizar, António Dias da Cunha aponta o dedo a outros ex-dirigentes do universo sportinguista.

"Não são só as claques que estão a procurar correr com o presidente. Há ex-dirigentes que já se vêem como candidatos a presidentes. O movimento não é só das claques. Há quem pretenda o lugar e esteja a contribuir para tornar a condução do Sporting difícil. Dou-lhe o meu total apoio. Tudo em nome da estabilidade, mas porque o considero uma pessoa absolutamente capaz de desempenhar o lugar de presidente do Sporting neste momento muito difícil que o clube está a viver. O meu conhecimento pessoal dele foi adquirido quando se candidatou a presidente. Transmitiu-me essa competência, essa confiança", assegura.

Saída de Keizer foi "um erro"

De qualquer modo, a terminar, o ex-presidente não deixa de criticar a mudança técnica que levou à entrada de Jorge Silas para o lugar de Marcel Keizer.
"Considero que houve um erro. Foi o despedimento do Keizer. A partir daí o Sporting não parou de entrar em complicações. A equipa enfraqueceu ainda mais", conclui.»

Transporta ao peito o que nenhum outro depois dele poderá ufanar-se: foi o último presidente a ter o privilégio em Alvalade, de mostrar, orgulhosamente, à grande nação sportinguista, a faixa de campeão a atravessar-lhe o peito! Bastaria apenas isso para que as suas palavras fossem importantes. Porém, há algo mais a ter em conta para além disso...
Dias da Cunha nunca foi homem de fretes!...
Leoninamente,
Até à próxima

Uma voz a pregar no deserto?!...


Poder das claques enfraquece lideranças

«1. Frederico Varandas e a Direcção do Sporting tomaram uma decisão que poucos teriam coragem de tomar: cortar com o apoio às claques.

2. Cortar com o apoio às claques significa comprar uma ‘guerra’. Ninguém compra uma ‘guerra’, sobretudo com este grau de perigosidade, com efeitos na sua própria segurança e paz, por capricho ou arrogância.

3. Este tema das claques e do seu controlo tornou-se difícil e até dramático, porque os clubes de futebol, de uma maneira geral, demitiram-se do seu papel e, mais do que isso, foram durante anos colocando gasolina no fogo.

4. Figuras relevantes do dirigismo nacional, talvez para se sentirem mais protegidos, foram fazendo sucessivos pactos com o diabo. Alimentaram-lhe a gula, os vícios e a soberba.

5. As claques — e devemos dizer que há distinções a fazer entre elas — são, nos casos mais assanhados, digamos assim, a extensão e o resultado das capitulações dos dirigentes desportivos e dos clubes que, ciclicamente, representam.

6. Algumas claques são hoje, em Portugal, aquilo que os clubes quiseram que elas fossem. E, nesse aspecto, se existe um monstro e se ele cresceu, isso resulta do facto de ter sido alimentado.

7. A responsabilidade é um pouco de todos: dos clubes, dos presidentes e dirigentes, dos titulares de cargos relevantes na organização do futebol em Portugal, do Estado e da própria comunicação social.

8. As claques foram engordando e foram deixando crescer as unhas e a engrossar a voz porque foram percebendo que, para além do alimento que lhes era proporcionado, se havia alguma transgressão, nada lhes acontecia. Podiam continuar a injuriar e nalguns casos a assaltar, e nada de relevante lhes acontecia. A conta dos distúrbios ia sempre parar á tesouraria dos clubes.

9. Nada melhor do que isto: agir, muitas vezes vezes marginalmente, sem consequências. Quer dizer: as claques tinham um tratamento de excepção e ainda havia (e há) quem pague os desmandos causados nos estádios e nos pavilhões.

10. A situação que envolve os clubes ‘grandes’ é particularmente dramática e muito penalizador para o Estado, para as entidades que poderiam travar estes impulsos ditatoriais e próprios de um pais sem reguladores à altura da gravidade dos factos.

11. Nem a paixão clubística pode ser entendida como argumento para se justificar a ausência de tomadas de posição concertadas, em relação a uma matéria tão sensível, que condiciona o acesso aos estádios de futebol.

12. O Sporting teve o indecoroso ‘assalto a Alcochete’, mas temos exemplos no FC Porto e no Benfica, e mesmo ao nível de outros clubes de menor dimensão, em que as claques assumiram papéis de ‘forças armadas’, mais ou menos privadas, espécie de carrascos de uma moral que não têm.

13. Independentemente de todos os méritos que podemos identificar no percurso de Pinto da Costa enquanto presidente do FC Porto, também não é difícil de compreender que a sobrevivência do líder portista muito se deve ao facto de ter sido sempre super… protegido.

14. Não há almoços grátis. Quando se ganha uma coisa tão importante como a segurança e a imunidade, tem de se dar alguma coisa em troca. O que se deu em troca? PODER!

15. Ainda a época passada tivemos manifestações indiscutíveis de afirmação desse poder, no Dragão. Com a Direcção e o seu presidente completamente vergados a esse poder, e com o treinador Sérgio Conceição a ter de gerir o melhor possível uma situação explosiva.
No Benfica nunca se soube muito bem como lidar com claques e o Estado nunca soube muito bem como lidar com as dúvidas do Benfica. E ainda estamos, neste domínio, na fase do faz de conta.

16. Esta dádiva de poder é uma coisa muito simples de conceder. O problema são as consequências. Nalguns casos, será para toda a vida. Noutros casos, será para manter em lume brando. No caso do Sporting, ultrapassaram-se todas as marcas e, quando se tomaram algumas primeiras medidas para se emagrecer o ‘monstro’ e reduzir os seus vícios, gerou-se um fenómeno, natural, de resistência e de aumento de constestação. Aproveitado por alguns, com sede de outro tipo de poder.

17. É bom ter a noção de que, se Frederico Varandas perder esta batalha, os clubes de futebol, em Portugal, perderão a guerra. Porque ficarão ainda mais hipotecados… a outros poderes. E, em consequência, mais fracos e dependentes.

18. De outro modo: chegará o dia em que FC Porto e Benfica olharão para as claques como elas devem ser olhadas: sem subsverviências. Até lá, o caminho é espinhoso, mas será ainda mais espinhoso se as claques voltarem a tomar conta do Sporting.

19. Vieira precisa de ser ‘mais líder’ e ser ‘mais líder’ significa não estar tão dependente de Jorge Mendes e de figuras que continuam a manchar a imagem do Benfica. E, como vêm aí eleições, talvez fosse importante Vieira definir-se em relação às claques!

20. Frederico Varandas não tem recuo, mas talvez possa fazer alguma coisa para criar um novo conceito de claque. É preciso, como diz o outro, partir para outra.

JARDIM DAS ESTRELAS

** (2 estrelas)

"Grandes" a jogar futebol… pequeno

*****As equipas do Minho, SC Braga e V. Guimarães, arrancaram resultados diferentes nos seus compromissos, fora de casa, da Liga Europa, mas foram entre os representantes portugueses as únicas que apresentaram um futebol alegre e positivo.

**** O SC Braga juntou o útil ao agradável, vencendo e jogando bom futebol; o V. Guimarães ameaçou tornar-se na grande sensação da semana europeia .

*** Benfica e Sporting venceram mas jogaram… ‘pequeno’.

** Luís Filipe Vieira afirmava, há um ano: "Não sairei do Benfica sem ser campeão europeu’. Não se sabe quando é que LFV está a pensar em ‘passar a pasta’, mas não há sinais de um Benfica afirmativo e categórico, no espaço europeu.

*** Com Lage, que chegou a atingir níveis exibicionais muito interessantes, o Benfica perdeu dinâmicas essenciais e hoje a equipa já não consegue dominar sem ser dominada. Isto é, a equipa até pode conseguir estar momentaneamente por cima, mas perde o controlo sobre si própria com muita facilidade, como se viu com o Lyon.

*Anthony Lopes cometeu um erro que aliviou a pressão do Benfica. Acontece. É futebol, mas é preciso sublinhar na jogada o mérito de Pizzi (****).

***** Enquanto Lage parece perdido num labirinto mental difícil de decifrar, não conseguindo extrair da equipa do Benfica tudo aquilo que ela pode dar, Jorge Jesus, no Flamengo, optimiza o rendimento dos jogadores. Vieira deve estar confuso.

** FC Porto está sem brilho. Sérgio Conceição tem razão: falta algum prazer a jogar. Mas quando não há espaço para a criatividade, fica difícil ser-se criativo. Será cansaço de excesso de trabalho táctico?

*** Sporting nos ‘cuidados intensivos’: a vitória ao Rosenborg apenas lhe permite… respirar.»
(Rui Santos, Pressão Alta, in Record, hoje 20:31)


Rui Santos prossegue, corajosamente, a sua denúncia!...

Uma voz a pregar no deserto?!...

Leoninamente,
Até à próxima

Quem manda no Sporting é o Sporting!...



Direcção do Sporting notifica Juve Leo e Directivo Ultras XXI para abandonarem espaços utilizados no Estádio José Alvalade
Claques foram avisadas através de carta registada

A direcção do Sporting notificou as claques Juventude Leonina e Directivo Ultras XXI para abandonarem os espaços que até agora lhes vinham sendo cedidos pelo Clube nas instalações do Estádio de Alvalade. Ao que foi possível apurar, os referidos grupos organizados de adeptos (GOA), visados na resolução do protocolo anunciado pela direcção, foram notificados através de carta registada e terão agora cinco dias para procederem no sentido exarado no aviso.

Quem manda no Sporting é o Sporting!...

Leoninamente,
Até à próxima

Terá também que chover no nabal!...



Sporting acata arquivamento da queixa e eliminação da Taça de Portugal


«O Sporting informou hoje ter acatado a decisão do Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), que arquivou a queixa dos 'leões', contra a utilização de Luan pelo Alverca no jogo da Taça de Portugal.

"A Sporting SAD novamente endereça ao Alverca as suas felicitações pela vitória obtida e informa que acatará esta decisão, permitindo o normal desenrolar da competição", anunciou o clube de Alvalade, em comunicado.

Os 'leões' dizem ter "registado a clarificação da posição dos órgãos de justiça disciplinar desportiva face a uma questão controvertida", a qual a "Sporting SAD entendeu ser seu dever clarificar".»
(Agência LUSA, hoje 19:24)


Andou bem o Sporting, pese embora a reacção intempestiva e desproporcionada dos dirigentes do Alverca que demonstraram estar completamente a leste de tudo o que, eventualmente, poderia estar em causa, ao provocar a clarificação inequívoca de uma questão que um dia destes poderia vir a ter um tratamento completamente diferente face ao outros protagonistas! Só duvidará quem tiver memória curta!...


Desde o início que o objectivo ficou muito claro para quem conhece bem o meandros do futebol português. Há por aí gente que não é de fiar! Assim, a partir de agora, com tal jurisprudência, ficará inequívoca e legalmente demonstrado que, sempre que chova na eira, necessária e obrigatoriamente...

Terá também que chover no nabal!...

Leoninamente,
Até à próxima

Sem pruridos e rivalidades bacôcas!...


Domingos Soares de Oliveira elogia projecto do Sporting

O administrador-executivo da SAD do Benfica, Domingos Soares de Oliveira, participou, nesta última quinta-feira, numa aula para pessoas com necessidades especiais na Universidade Nova, em Carcavelos. Seja pela sua costela sportinguista, seja pela coragem de reconhecer a realidade, o certo é que no final, afirmou apresentarem-se à instituição que representava uma série de desafios, entre os quais o de melhorar as condições para pessoas com necessidades especiais.

"Saio daqui com um desafio de acessos ao estádio e actividades desportivas. Podemos fazer mais do que temos feito. Temos um bom programa de integração de pessoas com menos valências, mas não na parte desportiva. Na parte desportiva temos de fazer mais. Nesse aspecto, o Sporting está a fazer muito mais e melhor do que nós."

Um elogiável acesso de humildade que será mister os dirigentes sportinguistas imitarem. Em vez de preferirmos usar, quantas vezes sem qualquer sentido, a  crítica pela crítica, deveremos aprender com tudo o que de bom outros clubes têm implementado e copiar-lhes e até melhorar todas as boas ideias.

Sem pruridos e rivalidades bacôcas!...

Leoninamente,
Até à próxima

O melhor prémio: recuperar o sorriso!...


Leão com sinais vitais
O Sporting não foi brilhante mas a resposta mostrou que o KO de Alverca já lá vai

«Uma vitória feliz, na sequência de hora e meia com os nervos sempre à flor da pele, permitiu ao Sporting garantir privilégios no grupo de apuramento da Liga Europa. O leão não foi brilhante, não respondeu ao KO de Alverca com uma demonstração clara de saúde restituída, mas foi capaz de, mesmo assim, mostrar sinais vitais que alimentam a esperança de dias melhores. O êxito verde e branco fica ainda marcado pelo clima de reconciliação das claques, desta vez só empenhadas em apoiar a equipa, indiferentes aos conflitos institucionais e às decisões do presidente da direcção.

Foi, por isso, um triunfo sofrido, saboroso, que pode ser interpretado como início de um novo ciclo em Alvalade. Não pela excelência do futebol apresentado pela formação de Silas, não pela autoridade expressa nos 90 minutos sobre adversário frágil como é este Rosenborg ou pela quantidade de oportunidades construídas; mas não é possível ficar indiferente ao ar mais respirável sentido no reduto verde e branco, pela comunhão de vontades na criação das condições mínimas para sair de uma crise de dimensões impensáveis após a derrota com uma equipa do terceiro escalão nacional.


Sem brilhantismo


O Sporting apresentou-se lutando contra os seus próprios limites, condicionado pelo cenário negativo que o envolve: a equipa abstraiu-se da situação, resistiu ao conflito interno (imperceptível nos primeiros minutos), não se deixou afectar pela desinspiração e entregou-se à tarefa de jogar o melhor possível. Mas não o fez com a segurança devida, não foi capaz de criar sucessivos lances de apuro junto do extremo reduto contrário e só revelou consistência relativa; mas a atitude consciente estava lá, alimentando a expectativa de que podia, por fim, colocar ponto final no período negro. No arranque do jogo a equipa manteve-se desperta, como quem ali estava em busca do golo, da vitória e da redenção.


O problema foi desvirtuar aos poucos os princípios que norteiam o projecto de Silas. O Sporting teve menos bola do que gostaria e não cultivou a posse em ataque posicional para estimular o jogo ofensivo organizado; permitiu a desordem, um futebol esticado e um jogo sem dono, no qual não mostrou os movimentos combinados, com acções de progressão participada, capazes de ir abrindo brechas na muralha defensiva dos noruegueses. Bruno Fernandes atirou à barra aos 17 minutos, mas um desvio de Coates, que bateu em Doumbia, também levou a bola ao ferro de Renan. O sinal mais era verde e branco. Mas a feição do embate não era inteiramente favorável aos portugueses.

Um golo merecido

Depois do intervalo, o Sporting levou o jogo para níveis mais próximos do desejável: a equipa uniu-se à volta da bola, cultivou um futebol de posse, paciente mas, ao mesmo tempo, mais pressionante sobre o último reduto contrário; defendeu e atacou com iniciativa, expôs-se menos às investidas norueguesas e tornou mais clara a superioridade. Bolasie traduziu a superioridade com um golo de cabeça, feliz mas justo, numa altura em que o ambiente (aos 70 minutos) começava a dar sinais de alguma apreensão. Até ao fim, a cabeça fria leonina marcou pontos no duelo com o empolgamento adversário, cujo futebol directo, por vezes longo, foi morrendo nos pés e na cabeça dos defensores sportinguistas. Silas preferiu refrescar a equipa nos últimos instantes do que mexer quando ainda era tempo de mudar a feição dos acontecimentos – nessa altura limitou-se a trocar de avançado. No fim, a festa foi verde e branca. A celebração não foi efusiva mas foi o suficiente para recuperar o sorriso.»


O bom jornalismo de reportagem será sempre a perfeita simbiose entre o espelho do acontecimento e a moldura artística da palavra. Rui Dias 'obriga-me' a ler os seus textos com singular deleite, porque o consegue em cada texto que nos oferece. Por isso o trago tantas vezes para aqui...

Esta crónica de hoje desafia a excelência. Ela reflecte tudo o que aconteceu em Alvalade. Alguns julgá-la-ão incompleta, por nem uma palavra o autor ter dedicado à arbitragem. Por mim, estou com Rui Dias: porquê e para quê emboitar a excelência com redundâncias, quando nem se deu por ele?! Deixo apenas o nome do senhor belga que esteve em Alvalade, como exemplo e memória futura: Lawrence Visser.

Ficar-me-à por muito tempo, o remate de Rui Dias...

O melhor prémio: recuperar o sorriso!...

Leoninamente,
Até à próxima

PUBLICIDADE