sexta-feira, 18 de outubro de 2019

Há tanto, tanto por fazer!...


Vergonha sim e muita! Calem-se todos por favor. Cada palavra dita, seja por quem for e vá em que sentido for, apenas contribuirá para aumentar este terrível sentimento de dor, decepção e frustração. Que cessem as palavras e falem as obras!...

Há tanto, tanto por fazer!...

Leoninamente,
Até à próxima

5 comentários:

  1. Agora não há conversinha de sabichão, nem tiradas filosóficas de algibeira?? É aborrecido quando (mais uma vez)a realidade choca de frente connosco e estilhaça toda a narrativa aqui sustentada dia após dia e para lá de qualquer razoabilidade!!
    Já agora, a que "obras" é que se refere??? As que foram apresentadas até agora ainda não foram as suficientes para constatar a falência total desta Direção absolutamente inepta e incompetente?? O que necessita mais? A equipa na 2ª divisão??
    Pode mandar calar ou apagar os comentários, este blog é seu,mas parece-me difícil continuar a esconder a cabeça na areia e continuar em negação!! No entanto, tal como o blog, a cabeça é sua e fará dela o que bem entender!!!
    PS- Pode sempre culpar aqui o Rinaudo, ou as claques, ou o Bruno de Carvalho!! Não resolve nada, mas se calhar alivia algumas (más??) consciências!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perante algumas fragilidades evidenciadas por Rinaudo neste seu comentário, permita que lhe sugira uma ponderada reflexão sobre aquela que terá sido das melhores definições de cultura que pude absorver nos anos que já levo por cá. Dizia Lauro Moreira, um dos pouco mais de 500 habitantes do lugarejo encravado na Bairrada profunda onde nasci, velho autodidacta com apenas o 2º grau de instrução, que costumava 'ensinar' os frequentadores das sessões de fim do dia na taberna da aldeia, que "cultura seria tudo o que nos restava depois de esquecida uma boa parte do que aprendemos"! Não o referia o velho Lauro, mas será óbvio subentender que jamais se poderá esquecer o que nunca se aprendeu.
      Vem este meu conselho a propósito da questão que me coloca sobre a que "obras" me refiro no meu postal, para lhe dizer que em vez de aspar apenas a palavra "obras", deverá, se quiser perceber o que pretendi dizer, colocar entre aspas toda a oração em que está inserida a palavra, ou seja: "que cessem as palavras e falem as obras". Se procurar encontrar a origem e o significado deste hino à sapiência, concluirá que a frase tem mais de 800 anos, foi proferida por um português e será de relevante importância se vier a ser profundamente reflectida por todos os responsáveis pelo futebol do Sporting, bem como por todos os que, intitulando-se de sportinguistas parecem mais interessados em concorrer para a instabilidade que impede o Sporting de levantar a cabeça...
      Finalmente deixo-lhe a certeza de a minha consciência, felizmente e porque disso faço lema de vida, me permitir dormir serenamente, há muitos e longos anos, em cada noite da minha vida. Haverá quem não o consiga, mas a esses nunca, mesmo que o quisesse, poderei ajudar...

      Eliminar
  2. Em relação á tirada;"que cessem as palavras e falem as obras", concordo com a parte da cessação das palavras por parte de Varandas, por motivos óbvio!! Em relação ás obras; as existentes são péssimas e as futuras...até assusta pensar!!
    Dado o meu estado de fragilidade(s) foi a melhor resposta que consegui articular!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca será uma "tirada" a frase que nos deixou há mais de 800 anos Fernando Martins de Bulhões, a quem os italianos chamariam Santo António de Pádua e os portugueses Santo António de Lisboa! Foi um sublime desafio e de tamanha grandeza que ainda hoje se mantém actual. E nesse desafio deveremos entender que, cessando as palavras, ficará aberto o espaço para que falem as obras. Foi a pensar nas obras que estarão ainda por fazer no Sporting, que o pensamento de Fernando de Bulhões me ocorreu. Não me interessam para nada as obras feitas, nem que não foram feitos, nem mesmo os erros cometidos. Tudo isso será passado e o passado é letra morta. Apenas me interessa e muito, que apenas "falem as obras futuras" e que um silêncio colectivo sepulcral as envolva a todas. Que cada papagaio colapse no fim da primeira palavra pronunciada!...

      Eliminar
  3. Isto com lirismo não vai lá meu caro!! No entanto, a boa notícia é que, mal não faz!!
    Para fazer mal lá está Varandas & Cia e sem ajudas de ninguém!!
    Que Santo António e São Francisco de Assis nos valham!!

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE