quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Quem poderá negar ou impedir que um dia os sete vimes não venham a ser um molho?!...


GARANTIR O FUTURO

«O Sporting tem vivido quase sempre, acima das suas posses. Não é de hoje, nem de ontem, é de sempre. Por razões quase atávicas, que se perdem na lonjura dos tempos, o Sporting gastou recorrentemente mais do que tinha; e o resultado foi o acumular de prejuízos, que eram colmatados com receitas extraordinárias, através da alienação e oneração de activos, endividamento (muito), contribuições desinteressadas de muitos sócios e, claro, imaginação e equilibrismo.

Dos muitos mitos urbanos que se contam sobre estas matérias, avultam as histórias das contratações do Yazalde, com letras metidas por baixo da porta de um sócio, relutante em avalizá-las, ou do Jardel, com cheques bancários a circular em branco.

Este sobressalto financeiro que caracteriza grande parte da história do Sporting deve-se a uma pungente realidade, ou seja, muitos foram os anos em que o clube deu prejuízo e muito poucos os anos de lucro.

Como resultado das suas crónicas debilidades financeiras, tive sempre a sensação que, no plano competitivo, o Sporting terá ficado aquém do que podia e devia atingir, com a agravante que o clube era governado mais de fora do que de dentro. Quantas vezes o Sporting foi melhor, mas, no final, o dinheiro dos outros falou mais alto?

Vejo com satisfação o esforço actual para inverter este nefasto círculo vicioso, no sentido de conferir equilíbrio às contas, assegurando a sustentabilidade ao clube. O Sporting acabou de assinar o maior contrato da sua história e duvido que tão cedo celebre outro com idêntica dimensão e impacto financeiro; esta, porventura, será a altura de sanear o passivo, aliviar a conta dos encargos financeiros, porque a experiência ensina que os bons negócios se fazem quando há dinheiro, não quando ele escasseia. Esta deverá ser a prioridade absoluta.

Para garantir o futuro, para que os valores do clube perdurem, para que o clube possa ser cada vez mais forte, vivo e presente, para que os nossos filhos e netos possam ter na sua vida a companhia que o Sporting nos fez a nós, se possível reforçada com mais sucessos desportivos.»
(Carlos Barbosa da Cruz, O Canto do Morais, in Record)


Li, reli, virei do avesso, voltei a ler e a reler, da frente para trás, de trás para a frente, de cima para baixo e de baixo para cima, esfreguei os olhos, pedi à minha excelentíssima que me soprasse neles, nos olhos, não fosse alguma pestana solta estar a provocar-me inusitado e severo distúrbio na visão e... acabei por concluir que todas essas minhas leituras não diferiam nem numa descuidada e insignificante vírgula, logo, pois, portanto, por conseguinte, por consequência, Carlos Barbosa da Cruz escreveu mesmo esta crónica que ainda "acabadinha de sair do forno" aqui vos deixo.

Muitos sportinguistas hão-de pensar o mesmo que eu. Outros hão-de chamar ao homem traidor da "classe operária" e afirmarão o seu ensandecimento. Outros ainda colocarão cada um dos dois polegares entre o indicador e o dedo médio e emitirão tamanho rugido que se há-de ouvir para lá dos Urais...

Não, não vou correr em público a cortina do meu pensamento, quando desde sempre defendi que ninguém conseguirá partir um molhinho de sete vimes com a facilidade com que se parte cada um deles, isolado e frágil. Eu também já me envergonhei de actos e palavras que cometi e proferi ao longo da minha vida e a minha consciência obriga-me a entregar a qualquer companheiro de jornada, o mesmo benefício da dúvida que com que me privilegiei...

Vou começar a prestar mais atenção a tudo o que o vento me trouxer de "camarotes e de fontes seguras, a Norte ou a Sul de Alvalade", porque, afinal...

Quem poderá negar ou impedir que um dia os sete vimes não venham a ser um molho?!...

Leoninamente,
Até à próxima

3 comentários:

  1. Visito o seu blog religiosamente e, de qdo em vez, comento. Mas o artigo partindo de quem partiu e os seu comentarios finais, priceless.

    ResponderEliminar
  2. Ainda bem, caríssimo Uncle P! Pode ser um bom prenúncio para Setúbal!...

    Força Spooooooooooooorting!...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Terá sido, quem sabe?... Aos poucos, os vimes parecem querer juntar-se.
      Dois, três, é verdade, mas que, antes, eram menos e até parecia que queriam vergastar-nos; e, agora...
      Se uma andorinha, não faz a Primavera, também 3 ou 4 vimes juntos não fazem um molho. Vamos aguardar, que "atrás dos tempos, tempos virão".

      Eliminar

PUBLICIDADE