sábado, 9 de janeiro de 2016

Bruno de Carvalho parece condenado a "comer de cebolada" toda esta pobreza de espírito!...


Com video-árbitro o troféu nunca se chamaria Taça Lucílio Baptista

O International Football Association Board (IFAB), que regulamenta as universais regras do futebol, decidiu recomendar após a sua última reunião na passada quinta-feira, às diversas federações nacionais que procedam nas provas sob sua supervisão, a ensaios preliminares sobre a introdução de tecnologia vídeo como apoio ao trabalho dos árbitros, decisão que formalmente poderá vir a ser ratificada na próxima reunião da organização, entre 04 e 06 de Março, em Cardiff.

Nesses testes experimentais, os árbitros poderão recorrer ao auxílio da tecnologia vídeo para decidir sobre casos que envolvam golos, expulsões e grandes penalidades, sendo que o sistema também poderá alertar os juízes para irregularidades que anteriormente não tenham detectado. Contudo, ao contrário do que ja acontece noutras modalidades como o ténis ou o râguebi, não está previsto para já, que sejam as equipas a pedir o recurso à utilização do sistema.

Logo no dia seguinte, a Federação Holandesa de Futebol veio confirmar que vai permitir que os árbitros recorram à ajuda de imagens em vídeo para decidirem lances considerados chave, na Taça da Holanda de futebol, já a partir da próxima época.

Por cá, no nauseabundo pantanal do futebol português, com as honrosas excepções do Presidente do Sporting Clube de Portugal, do jornalista Rui Santos e de poucas e muito tímidas afirmações de outros intervenientes, sempre assistimos a uma acérrima defesa do "status quo" - pudera! -, muito particularmente dos organismos ligados à Federação, Liga e Arbitragem.

Mas bastou que das bandas do IFAB soprassem ventos de mudança, para que aqueles que até agora vinham dizendo de Bruno de Carvalho e Rui Santos o que Maomé não disse do toucinho, virando as costas ao vento e aproveitado o impulso, num ápice se declarassem como sendo, desde há longo tempo, fervorosos adeptos daquilo que ainda ontem abominavam.

E como porta-estandarte aí temos a FPF, com o seu inenarrável presidente e todos os acólitos que conhecemos de sobejo, destacando-se na primeira linha, os presidentes do Conselho de Arbitragem e da Liga, declarando a sua disponibilidade para a implementação nas competições nacionais e já, imagine-se, na presente temporada. 

Bruno de Carvalho parece condenado a "comer de cebolada" toda esta pobreza de espírito!...

Leoninamente,
Até à próxima

3 comentários:

  1. Essa é que é uma verdade indesmentível...

    Talvez por essa e por outras...é que a "alguns" não interessa muito a verdade desportiva..!!

    SL

    ResponderEliminar
  2. E esta hein!...Quem diria que federação e demais organismos que fugiam desta ideia, como o diabo foge da cruz, aparecem agora na linha da frente!...Fico mto desconfiada, será que querem roubar os louros a BdC? Só pode ser, pois não acredito que tenham o mínimo de interesse em regenerar o futebol...

    SL

    ResponderEliminar
  3. Não acredito na disponibilidade desta cambada que dirige o nosso futebol!
    Para torpedear a intenção dos testes, sim, acredito que estejam totalmente disponíveis. A 200%, se necessidade houver. Mas para colaborar positivamente?...

    Estou mesmo a ver, num jogo "experimental", haver interrupções, para análise, por tudo e por nada - sobretudo, por nada!, para que agora 30 segundos, depois, 20, a seguir 60... e em vez de termos 90+3 minutos, vamos ter 120.
    E vamos ter árbitros com dúvidas (existenciais) quando for necessário parar um jogo para que a "sua" equipa ganhe fôlego.
    Não acredito nesta gente que dirige o nosso futebol, não acredito.
    Mas vocês acham que eles vão aceitar, nas boas, "dividir" o poder de decidir?
    Estamos a falar da FPF, Liga, conselhos disto e mais daquilo, uma cambada de corruptos que tem mandado (não dirigido) no futebol a favor de quem lhes interessa?
    Não, amigo Álamo, a Portugal ou chega uma ordem expressa, objectiva, do que tem que ser feito ou...nada feito!

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE