terça-feira, 19 de agosto de 2014

O orgasmo do querido Manha!...


Menos um à mesa


O diferendo com Marcos Rojo está resolvido a contento do jogador e dos clubes, Sporting e Manchester United, e entra no portfólio das grandes decisões do presidente Bruno de Carvalho. Mas é fácil de prever que abriu uma caixa de Pandora. Tal como o Sporting renega os fundos que permitiram aos clubes manterem a sua competitividade, em particular a nível europeu, também nenhum fundo voltará a querer fazer negócios com o Sporting.

É uma nova era que se abre na história do clube e do futebol nacional, uma corrida de fundo cuja meta está longe e que parece desigual. Apesar da satisfação por uma vitória moral, o Sporting está a conceder uma vantagem enorme aos adversários directos, permitindo-lhes que acabem por se servir do seu quinhão. Com esta renúncia, não haverá menos dinheiro em cima da mesa, mas somente um parceiro a menos para repartir.
(João Querido Manha, in Record)

O desgraçado do homem revira os olhos, guincha e esperneia! Não, não está a morrer, nem este é o úíltimo fanico que lhe dá. Nada disso. É o violento orgasmo que culmina a longa masturbação, que o seu espírito encarniçadamente vem desenvolvendo em prol do seu amor de sempre.

Para a criatura, dignidade e construção de um mundo melhor, são merdas que pouco interessam, a ele, ao futebol português e ao seu futuro e, em dose muito especial, à vermelhidão de que faz parte. Importante será o facto de agora, as migalhas que caem da mesa passem a ser repartidas por menos um! Isso sim, para o seu espírito de benfiquista tacanho e amblíope, será o mais importante! O porco poderá a partir de agora, fossar com todo o à-vontade do mundo, na imundície do curral! E continua este energúmeno, como director de um jornal com as honrosas tradições do Record!...

Oh Manha, vai até à drogaria mais próxima e compra dois metros e meio de corda! É barato e é suficiente!...

Leoninamente,
Até á próxima

11 comentários:

  1. Tu es doente.Relacionas o facto de alguem ser Benfiquista como algo de negativo.Basta alguem ser Benfiquista que para ti e alguem que so quer o mal ao futebol tuga e por isso merece ser insultado.Nao ha espaco para fanaticos como tu no futebol.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estás enganado "nonameslb", acontece precisamente o contrário: quando se me depara um qualquer débil mental, constato primeiro a sua pequenez! Depois tento identificá-lo e, ironia do destino, uma grande parte das vezes o estúpido é benfiquista! Porque será?!...

      Eliminar
    2. Ó nonameslb,realmente tens a desculpa de seres filho de uma nota de 10 €.trata-te galinacio

      Eliminar
  2. volta para a etar de luz que deixaste aqui mau cheiro seu nnporco

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Elegância! Sportinguismo significa elegância!...

      Eliminar
    2. Caro Álamo não precisamos dessa corja de galinácios por aqui nos blogues Sportinguistas,por isso eu tratá-los a todos como uns filhos de uma nota de 10 €.Viva o SPORTING CLUBE DE PORTUGAL

      Eliminar
  3. Facto indesmentível: sempre houve sportinguistas de grande nível no comentário futebolístico: Artur Agostinho, Rui Tovar e agora, Bernardo Ribeiro. Gente a quem o sportinguismo não estorvava à actividade profissional, isenta. (Bernardo Ribeiro, coitado, lá vai sobrevivendo, paredes meias com as velhacarias lampionas do Manha)

    É mais difícil apontar benfiquistas sem o serviçalismo boçal que os caracteriza por essa imprensa jornalística fora...

    Quanto ao fanatismo que fala ali o NN, estamos portanto conversados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Subscrevo, Caríssimo Valdemar Iglésias !...

      SL

      Eliminar
  4. Bom dia,

    Li em tempos, por entre a blogosfera verde, alguém que tinha o dom de reconhecer um lampião ao longe.
    Reconheço-me, também, com algumas capacidades inatas para reconhecer tal espécime.
    Sou Leão por convicção. Nasci num ninho, mas comecei a rugir desde o primeiro minuto. A alma leonina sempre me protegeu de tentações evocadas tão perto de mim.
    Aprendi sózinho cada bocadinho do Sporting. Decorei o nome de todos os nossos jogadores. Riscava em papel, todos os inicios de época, a composição do nosso plantel. Fazia a documentação de todos os jogos. e quando o Sporting perdia, vingava-me no CM2 ( foi o meu primeiro manager football), onde só ganhar a champions me satisfazia, neste clube "tão grande como os maiores da europa"
    Cresci, e a paixão foi sempre aumentando, quando já parecia impossivel crescer mais.
    Quando chegou a hora de entrar na faculdade, em guerra com os meus pais, que queriam que eu estudasse no Porto ou em Coimbra, por questões logísticas ( Vivo entre as 2 cidades), escolhi de forma automática Lisboa, para estar perto do meu grande amor. A faculdade dividiu-se com alvalade. Passei a ser um espectador assíduo de treinos ( anterior à academia) e jogos.
    Decorria o ano de 2005, quando acabado de chegar de Lisboa, onde estudei na FDUL, teimoso, investi em outro sonho: Ser treinador de futebol.
    600 euros e lá fui frequentar o curso de 1º nível na AFA.
    Entre outros, conheci Jorge Gabriel, meu colega de curso e futuro treinador do Arouca, que também fazia umas coisas em televisão.
    Certo Sábado, estava a ler um texto na revista 10, que saía com o jornal record, um artigo do Querido Manhoso. Insurgi-me em voz alta, e o meu colega de curso, que estava do meu lado, e que por sinal conhecia o João, confirmou-me a lampionagem de tal espécime tão visivel no que escrevia.
    A nossa comunicação social está tomada de encarnado. Não são isentos, não são "jornalistas", são reles adeptos vermelhos ( eu conheço alguns decentes), são facciosos e envenenam a opinião pública.
    Existe uma guerra oculta. Não silenciosa, mas dissimulada.
    Convicção de 1 país pequeno, em que 3 grandes clubes é demasiado e o alvo a abater é o Sporting Clube de Portugal.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, Peter Sousa, quase tudo o que consta do seu bem construído e elucidativo comentário, coincidirá com o percurso de muitos milhares de sportinguistas que, inevitavelmente, acabaram com as mesmas conclusões: há uma diferença profunda entre cada um dos estados dos adeptos dos três grandes! Até este ponto, tudo bem. Cada um de nós terá sempre o direito inalienável de vestir a pele que lhe pareça mais confortável e lhe permita alcançar a felicidade.

      Mas quando de entre a multidão, se destacam alguns com a pretensa vocação do jornalismo, o que lhes acontece?! Pelo impacto determinante que o produto do seu futuro trabalho, poderá vir a ter na sociedade portuguesa, serão eles sujeitos ao severo escrutínio de acesso ao último e superior estágio formativo, como acontece, por exemplo em medicina, economia e outros ramos do ensino?! Definitivamente, NÃO! Não existe o mínimo de critério na selecção dos candidatos aos cursos de jornalismo e a média de acesso será das mais baixas de todo o ensino superior. Se somarmos a esse facto indesmentível, a desgraçada pulverização desses cursos por tudo quanto são instituições privadas de ensino superior de jornalismo de confrangedora qualidade, o que colheremos no final do processo?! Impreparação, incompetência, incultura, quase iliteracia!...

      A esta desgraçada etapa, segue-se outra não menos importante: a admissão desse exército maioritariamente incompetente e mal formado pelos quase incontáveis OCS espalhados por este minúsculo país de tão inusitados contrastes. E aí, para quê perguntar o modo que baliza essas admissões? Mas eu direi apenas isto. os novos jornalistas, são hoje admitidos, da mesma forma que o Estado Novo admitia todo o funcionalismo público! Ontem, o 1º mandamento era, "Deus, Pátria e Família"! Hoje, para ser admitido, um jornalista terá que levar na testa a inscrição: "E Pluribus Unum"!... Porquê?! Pela mesma e exacta razão porque, sendo o povo português maioritariamente de esquerda, continua hà décadas a ser governado pela direita! É uma questão de regime!...

      Discordarei do caro Peter Sousa aoenas numa coisa, pelo facto de a palavra VERGONHA ter desaparecido do léxico português: não existe uma guerra oculta, silenciosa ou sequer dissimulada na aterradora maioria dos OCS! A guerra existe, sim, mas já ninguém a oculta, o silêncio deu lugar aos altos berros e perdeu-se o cuidado de usar nas matérias mais delicadas toda e qualquer dissimulação! É o regabofe total, o caos delirante e declarado e os porta-estandartes, são os próprios directores desses orgãos! A BEM DA NAÇÃO !!!...

      Saudações Leoninas.

      Eliminar
    2. Comprometi-me a não mais comprar o Record, enquanto este director subsistir.
      Mudo imediatamente de canal, quando vejo Pedro Guerra, o pároco encarnado, que apregoa a fé ( tenho dúvidas se lampiã ou vieirista).
      Mas, como podemos ser mais activos? Fazer a diferença?
      Provavelmente, por isso, é que sou Sportinguista.
      Quero ganhar, mas ganhar bem, e não a qualquer custo.

      Eliminar

PUBLICIDADE