quarta-feira, 2 de agosto de 2017

«Não sei, não sabe ninguém...»



«O Instituto tem as suas competências relativamente ao que tem a ver com o registo das claques e tem-no feito. Tudo está a correr dentro do que são as normas. Nós estamos a fazer o nosso caminho e o Instituto está a pugnar pelos princípios da ética.

Não vou comentar as acusações de Vítor Pataco sobre um despacho que supostamente pedia a punição do Benfica por apoio a claques ilegais, até porque está a decorrer um processo de inquérito internamente.

As pessoas não são inimigas, são adversárias, procuram ganhar, mas tudo dentro das regras. É isso que se pretende para o desporto. Eu sou um perfeito seguidor daquilo que são os princípios e os valores da ética e temos de cada vez mais avançar nesse sentido, de respeito de uns para com os outros»
(Augusto Baganha, em 05.05.2017, à margem do Estoril Open)


Quatro meses depois, onde estão as normas, as regras, os princípios e os valores da ética e o respeito de uns para com os outros?!...

«Não sei, não sabe ninguém...

Porque canto fado, neste tom magoado
De dor e de pranto
E neste momento, todo sofrimento
Eu sinto que a alma cá dentro se acalma
Nos versos que canto
Foi Deus, que deu luz aos olhos
Perfumou as rosas, deu ouro ao sol e prata ao luar
Foi Deus que me pôs no peito
Um rosário de penas que vou desfiando e choro a cantar
E pôs as estrelas no céu
E fez o espaço sem fim
Deu luto as andorinhas
Ai deu-me esta voz a mim

Se canto, não sei porque canto
Misto de ternura, saudade, ventura e talvez de amor
Mas sei que cantando
Sinto o mesmo quando, se tem um desgosto
E o pranto no rosto nos deixa melhor
Foi Deus, que deu voz ao vento
Luz ao firmamento
E deu o azul nas ondas do mar
Ai foi Deus, que me pôs no peito
Um rosário de penas que vou desfiando e choro a cantar
Fez o poeta o rouxinol
Pôs no campo o alecrim
Deu flores à primavera ai
E deu-me esta voz a mim
Deu flores à primavera ai
E deu-me esta voz a mim.»




Leoninamente,
Até à próxima

4 comentários:

  1. Caro Álamo:
    Lembro, dos meus tempos de basquetebol, que os irmãos Adriano e Augusto Baganha vieram da Cadémica representar o Sporting e por cá foram várias vezes campeões nacionais, até a modalidade, num momento de particular infelicidade, ter sido extinta no Clube.
    Augusto foi ainda, se não me engano, Director das Modalidades de Alta Competição do Sporting.
    Será a mesma pessoa? Pela foto, parece.
    Grande Abraço
    José Lopes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai caríssimo amigo, nunca ouviu dizer que "em política o que parece, é"?!... Penso que o amigo estará certo, mas ainda hei-de indagar junto de um outro amigo meu, de que certamente se recordará, também do basquetebol do Sporting, que jogava com o "8" na camisola, um grande homem e um grande sportinguista chamado Carlos Sousa. Certamente que ele me dissipará as severas dúvidas que neste momento me assaltam...

      Uma história aparentemente muito triste!...

      Grande abraço.

      Eliminar
  2. Nem sei que adjectivo hei-de usar... Para manter o nível vou """ficar-me""" por aqui....

    SAUDAÇÕES LEONINAS

    ResponderEliminar
  3. Adriano Baganha vindo da Académica de Coimbra jogou uma época no Sporting no início dos anos sessenta, seguindo depois para Moçambique onde jogou na Académica de Lourenço Marques. Em 80/81 voltou ao Sporting como treinador tendo ganho o respetivo Campeonato Nacional.
    Augusto Baganha veio para o Sporting em 77/78 e ficando até 82 quando foi suspenso o basquetebol no Clube, seguindo depois para o Clube Atlético de Queluz. Na última época (81/82) foi um elemento preponderante para que ainda houvesse equipa nesse ano, pois foi uma época quase em autogestão. No fim dos anos 80 foi coordenador das modalidades do Sporting.

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE