terça-feira, 22 de agosto de 2017

Esteve bem o jornalista, mas podia e devia fazer melhor!...


JORGE SOUSA ERROU

«Leio e ouço demasiadas pessoas a desvalorizarem as palavras de Jorge Sousa ao jovem guarda-redes Stojkovic. Que é uma linguagem normalmente utilizada no futebol, que dentro do campo não é ópera. Tudo certo. O problema é que não está aí a verdadeira questão das asneiras do cotado árbitro. Grave são o que elas encerram e o que o à-vontade com que são ditas pode manifestar. 

Jorge Sousa não estava a falar com um seu igual na hierarquia do futebol. Estava a falar com alguém que não lhe pode responder. Ou pode, mas se o fizer corre o risco de prejudicar a equipa, a carreira e isto ficando nas mãos, precisamente, da pessoa que usou e abusou do poder que tem dentro de campo.

A prepotência é um fenómeno com que convivemos muitas vezes na vida, quando alguém abusa do poder discricionário que detém. Não vou dizer que foi o que Jorge Sousa fez. Acredito que foi apenas um mau dia de um juiz que soube ganhar espaço na arbitragem portuguesa. Mas é a imagem que fica. E é feia. Esquecendo já o que são as regras da boa educação, pois... o futebol não é ópera.

Fez bem o CD em pedir o sumaríssimo? Óbvio. A arbitragem é um sector que, por vezes, parece viver acima da lei. Ter alguém a portar-se assim aos olhos do Mundo e nada fazer era o suicídio para a credibilidade do futebol, que já não é muita.»
(Bernardo Ribeiro, Saída de Campo, in Record)

Oportuna e esclarecida crónica de Bernardo Ribeiro. Restar-me-à apenas um pequeno reparo, face à sua assertiva afirmação de  que "... ter alguém a portar-se assim aos olhos do Mundo e nada fazer era o suicídio para a credibilidade do futebol, que já não é muita...": é que andará alguém a portar-se exactamente "assim aos olhos do mundo, sem nada fazer", empurrando o Sporting Clube de Portugal para a denúncia do "caso Eliseu", para que não viesse a acontecer "o suicídio da credibilidade do futebol, que já não é muita"!...

Esteve bem o jornalista, mas podia e devia fazer melhor!...

Leoninamente,
Até à próxima

2 comentários:

  1. pois ´o jornalista devia ter ido mais longe...

    Só não sei "é se verdadeiramente podia..."...

    "Isto" é tudo muito complicado meu caro amigo Álamo

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Compreendo perfeitamente o que deixou expresso nas entrelinhas, meu bom amigo Max! Assim como estou certo da assertividade de Dias Gomes, quando na sua magistral peça "O Santo Inquérito", intercalou este sublime pensamento:“Há um mínimo de dignidade que o homem não pode negociar. Nem mesmo em troca da Liberdade, nem mesmo em troca do Sol”!...

      Aceito que Dias Gomes se tenha esquecido do Pão! Mas mesmo assim, meu amigo, ainda haverá homens que preferirão morrer de fome!...

      Grande abraço e SL

      Eliminar

PUBLICIDADE