sábado, 27 de agosto de 2011

Ai, ai, leãozinho!... por Alexandre Pais

Já uma vez me insurgi aqui  contra a linha editorial do jornal "Record" nas questões onde, de raspão ou mais profundamente, trata tudo o que diga respeito ao Sporting Clube de Portugal. As opções dessa linha, longe de visarem a isenção e a imparcialidade que deveriam ser devidas a um jornal com a sua tradição e as suas origens, acenam descarada e despudoradamente para um duvidoso universo de quatro, cinco ou seis milhôes de potenciais consumidores - dizem os vendedores de ilusões que sem contar com a diáspora! -, revelando apenas lhes interessar a satisfação de objectivos materiais que implicam uma genuflexão servil e humilhante perante os próceres desses famigerados ou hipotéticos milhões. E desafiei, por via disso, os sportinguistas que comigo eventualmente concordassem, a colocar em prática a única reacção que julgava e continuo a julgar adequada a tal despautério jornalístico: o boicote ao "Record"!... 
Pesem embora todas as dúvidas que ainda possam subsistir no meu espírito, sobre as intenções subjacentes a um escrito assinado pelo senhor que esse jornal dirige e publicado na contra-capa da edição de hoje, tomei a liberdade de o reproduzir a seguir, para leitura e análise dos sportinguistas que tenham aderido ao meu desafio de boicote. Pela simples razão de que a mim próprio, não me repugnaria a ideia de assinar tal opinião.
É a primeira vez - e dou de barato que posso eventualmente não me ter apercebido de outras! - que reparo numa construção jornalística assinada por Alexandre Pais que não exale sectarismo, parcialidade e seguidismo vermelho bacoco, disfarçado de afeição belenense. Apesar de não compreender a razão da substituição do título "Ai, ai, leãozinho..." da edição impressa, que reproduzo a seguir,  para "Domingos precisa de tempo para construir uma equipa" da edição "on-line" que podem apreciar aqui, também dou de barato qualquer intenção perjurativa, tendo em conta a carga carinhosa que Caetano Veloso imortalizou em "Gosto muito de te ver leãozinho!...". O homem pode não ter feito por mal...
De qualquer maneira acho que, pela amostra, é um caso jornalístico a seguir com interesse. Quem sabe se, como muito bem definiu o nosso querido dr. Eduardo Barroso, em relação ao sr. capitão de Setúbal, que se recusou a arbitrar o Sporting, também não terá pesado a consciência de Alexandre Pais, pelas inúmeras tropelias com tem mimado ou permitido mimar o Sporting Clube de Portugal?!... Diz o nosso povo que "... só os burros não mudam!..." e quem me diz a mim que Alexandre Pais não é burro e chegou à humilde conclusão de que, ao invés do que julgara, a maior força de leitores do seu jornal era afinal sportinguista?!... Prometo que vou acompanhar com interesse a evolução da linha editorial desse famigerado jornal. E prometo também que não vou acompanhar apenas o que nele aparece escrito, seja pelo sr. Pais, seja por outros acólitos. Acompanharei muito particularmente a feitura das primeiras páginas, normalmente pintadas e compostas a uma cor única que todos conhecemos.
Analisem então o que Alexandre Pais escreveu:

 Ai, ai, leãozinho

O Sporting parece ter escolhido bem, de uma maneira geral, os jogadores que contratou, embora o plantel se encontre ainda um pouco desequilibrado. Veja-se, como exemplo, o centro da defesa, para o qual se olha e só se dá com... Polga. Sim, esse, o mesmo que houve quem quisesse mandar embora, mais, julgo, por estar farto de o ver do que por falta de uma qualidade futebolística que vai dando para disfarçar as debilidades globais que permanecem.

O problema está na impaciência, a maior inimiga da organização, da ponderação e do aparecimento dos frutos do trabalho. Porque se quer para ontem o que só se pode ter amanhã, porque se exige a quem chega que tudo traga testado, que tudo conheça e que nunca falhe.

O clube de Alvalade, queira-se ou não, tem um plantel que, apesar de claramente melhorado, está ainda longe daqueles que os técnicos de Benfica e FC Porto têm à sua disposição. E não só pelo nível dos jogadores, mas também pela manta de retalhos por que sempre passa uma sociedade de nações – e de escolas, e de estilos e de mentalidades – que nasce de um grupo de profissionais que nunca se viram mais gordos.

Assobiar os homens da casa, como Yannick, é desprezar os poucos que resistiram ao crivo da exigência de Domingos Paciência e dos novos dirigentes leoninos, ou seja, os melhores e aqueles que mais podem ajudar os que vieram. Apupar as caras novas, só porque não rendem já o que podem vir a render – ou o que se sonhou que deviam render –, é correr o risco de se perder o que têm para dar. E patear o treinador, isso então é o verdadeiro suicídio, pois arruína a confiança no líder e o surgimento dos resultados.

Os adeptos do Sporting têm de dar tempo a Domingos, e à sua capacidade, para reconstruir, com paciência, determinação e conhecimento, a equipa que outros destruíram. Quanto mais não seja por egoísmo, pois não encontrarão ninguém com mais qualidade – escrevam o que lhes digo.


Como afirmei no início, eu, sportinguista desde a careca que começa a despontar na minha cabeça até às unhas dos pés, que corto bem rentes, para que a distância seja menor e a percentagem de fervor clubista suba um pouco mais, não desdenharia assinar este texto...
Leoninamente,
Até à próxima

2 comentários:

  1. Caríssimo Álamo,

    Por estas razões é que não marginalizo nem jornais nem jornalistas.
    Sei que em tempos que já lá vão e não voltam, gostava de ouvir os relatos de futebol radiofónicos e nem sequer desconfiava qual o clube de Artur Agostinho que tanto admirei pela imagem que me dava do que se passava dentro do campo sem sequer o poder ver. E olha que não era só no futebol. O hóquei em patins relatado por ele tinha uma vida que me fazia andar de um lado para o outro sobre rodas (LOL).
    Se deixarmos de os comprar então é que eles se passam para o inimigo, não achas?
    O que eu faço é ler só e apenas o que dizem sobre o meu clube. Porque será, não me dirás?
    É que não me interessa nada ler que contam sobre os outros clubes e assim, não tenho termo de comparação. Só dá Sporting para mim (LOL-LOL-LOL).

    Nesta altura, porém, só leio mesmo o estritamente necessário para alimentar o blog e saber a quantas anda o nosso clube.

    Os meus Afrikanitos só partiram (até para o ano) na 4ª feira passada e agora a minha Mãe caiu à cama sabe-se lá por quanto tempo.

    Se eu rarear já sabes que uma leoa velhota anda às voltas com os seus 84 anos de idade e nós (as Leoas Assanhadas) a tentar que ela não sofra gratuitamente nesta fase da vida.

    Abraços leoninamente esperançosos

    ResponderEliminar
  2. Amigo Álamo,
    Em 1º lugar e mais importante, agora: é claro que sim, conheço o problema a que se refere. E pese embora não conheça (ainda) as suas causas, conheço algumas formas de ultrapassá-lo.
    Enviar-lhe-ei um mail já de seguida.
    Em 2º lugar, perdoe-me não ter lido esta mensagem, ainda. Vim aqui em sequência do que me disse em comentário. Até já.

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE