quinta-feira, 25 de abril de 2019

É que nós por cá, só a reboque!...



Maria José Morgado: “Em todo o mundo há histórias de hackers maus que se transformam em hackers bons”
A procuradora-geral adjunta falou do caso Rui Pinto em entrevista à RTP.

A procuradora-geral adjunta Maria José Morgado, no programa Grande Entrevista, da RTP, nesta quarta-feira, afirmou que o "caso Rui Pinto", o jovem português que denunciou alegados esquemas de evasão fiscal no futebol cometidos em vários países, conhecido como Football Leaks, a impressiona: 

«... Não posso falar do caso concreto, só em tese geral. Mas devo dizer que este caso impressiona-me muito pessoalmente, porque ouvi a pessoa de que estamos a falar a dizer frases sobre a corrupção no futebol semelhantes àquelas que eu disse numa entrevista em 2002, ao Adelino Gomes, e que está publicada na [revista] Pública. [...]

Em 2002 eu disse ao Adelino Gomes que o futebol era um mundo de branqueamento de dinheiros sujos, com promiscuidades políticas indesejáveis, alargadas e muito difíceis de combater. Fez-me impressão, porque passaram 17 anos e aparece uma pessoa a dizer aquilo que eu tinha dito. Porque agora são todos paladinos contra a corrupção no futebol, contra as offshores. Toda a gente fala disso, já não vale a pena falar. Mas naquele tempo tive problemas sérios por ter falado disso. [...]

Volvidos 17 anos, por aquilo que se sabe do Footbal Leaks (e não estou a falar de nenhum clube nem de nenhuma pessoa, mas de um fenómeno), aparentemente no mundo do futebol é-se imune a qualquer espécie de escrutínio.[...]

Precisamos das pessoas que estão por dentro do extraordinário mundo do crime, dos criminosos que queiram colaborar connosco. E, em geral, nenhum criminoso colabora com a justiça por razões éticas. É por razões interesseiras, individualistas. Mas isso é humano, normal. Tem de haver uma legalidade para essa compensação, através da delação (ou colaboração) premiada.[...] Se for para defender outros valores superiores e se for escrutinável.[...]

Em todo o mundo há histórias de hackers que se transformam em hackers bons e colaboram com a justiça. O hacker mau pode transformar-se num hacker bom e trabalhar para a polícia. Tem um know-how que muitas vezes a polícia não consegue ter por si só...»

Depois da aprovação - por 591 votos a favor, 29 contra e 33 abstenções - da directiva sobre denunciantes, a primeira na UE, naquela que foi a última sessão plenária desta legislatura do Parnamento Europeu, com a qual a deputada europeia Ana Gomes já se havia congratulado e, embora desjando que se tivesse ido mais longe, ainda assim considerou muito positivo ter sido conseguido quando subsistia a dúvida sobre se tal seria conseguido ainda nesta legislatura, que se estará no bom caminho, surge agora a voz respeitada da procuradora Maria José Morgado a juntar-se aos que defendem para Rui Pinto, uma compensação pelo seu contributo para o esclarecimento da onda de crimes perpetrados nomeadamente no futebol.

Apertam-se as malhas, agora com a pressão europeia...

É que nós por cá, só a reboque!...

Leoninamente,
Até à próxima

2 comentários:

  1. Em resumo, ainda que a tese aqui desenvolvida tenha sido em abstracto:
    1. Estamos a falar de um criminoso.
    2. É importante que haja legislação que proteja e atenue as penas dos criminosos que colaborem com a justiça.
    ...
    Todos de acordo com a tese.
    Agora todos esperamos que o pirata informático colabore com a Justiça revelando tudo o que sabe, nomeadamente: quem lhe encomendou os roubos, quem lhe prestou serviços de intermediação, quem recebeu os produtos roubados e, por fim, quem lhe pagou...

    Depois disto revelado, haja um juiz ponderado e sério que lhe atenue a pena...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depois deste seríssimo comentário do José Manuel que, do alto da sua eminente sapiência, entendeu classificar de criminoso quem ainda nem sequer foi julgado e de lhe enunciar a lista de crimes que a acusação nem sequer ainda deduziu, pouco mais restará a um modesto e despretensioso cidadão como eu que rezar, mesmo sendo agnóstico, para que o juiz que venha a ser designado para o julgamento seja, no mínimo, tão ponderado, sério e isento quanto o José Manuel! Coitado do Rui Pinto!...

      Eliminar

PUBLICIDADE