segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Que um fraco rei faz fraca a forte gente!...

 
 
 
Foi bonita  a primeira parte. Mas quando o gás se apagou, cada sportinguista foi acendendo a sua velinha. E como no futebol cada vez há menos milagres, o adversário acabou por ganhar com justiça. Poder-se-á dizer que Frank Vercauteren poderia ter feito algo mais, em vez de ter permitido que Carrillo e Capel de arrastassem pelo relvado a partir da hora de jogo, mas que sabemos nós dos problemas que o rodeiam? É facil criticar, mas quem consegue colocar a equipa a jogar durante os primeiros 45 minutos, da forma que o Sporting o fez, se não operou as substituições que a todos nos entraram pelos olhos dentro, terá certamente razões suficientes para não o ter feito, a começar por um quase certo défice físico e alguma falta de qualidade dos eventuais substitutos. Tudo coisas que já vem de longe, que resultaram de opções erradas nas contratações, de uma pré-época incompetente e de uma navegação à vista que revelou a pobreza franciscana dos navegadores.
Esta época, em termos de objectivos cuja exequibilidade não esteja dependente de milagres, terá terminado hoje. Como muito bem dizia há dias Daniel Oliveira, agora só restará a Godinho Lopes, "... levar o campeonato até ao fim, garantir algumas decisões importantes que não levem o clube para um buraco sem fundo e começar a preparar uma transição pacifica para o fim do campeonato, evitando o caos e o sucesso de aventureiros. Para que outros protagonistas se apresentem aos sócios com alternativas. É isto que faz quem falha tão redondamente. Pedindo responsabilidade a todos. Mas agindo com responsabilidade...".
E se alguém ainda tiver dúvidas de que Godinho Lopes não tem capacidade para liderar a grande instituição que é o Sporting Clube de Portugal, analise bem o monstruoso insulto que hoje foi perpetrado pelo site da estação de rádio TSF, com a divulgação de uma ignominiosa e aviltante adulteração do símbolo do Clube e a tímida, fraca e desprezível resposta contida no comunicado publicado no site do Clube.
 
«Do justo e duro Pedro nace o brando
(Vede da natureza o desconcerto!)
Remisso e sem cuidado algum, Fernando,
Que todo o Reino pôs em muito aperto;
Que, vindo o Castelhano devastando
As terras sem defesa, esteve perto
De destruir-se o Reino totalmente,
Que um fraco rei faz fraca a forte gente.»

( In Os Lusíadas de Luís de Camões)
 
Leoninamente,
Até á próxima

7 comentários:

  1. Ontem deu o 300.
    Filme que admiro pela qualidade do filme, mas pela "estória" em si.
    Gente que morre, sempre pela glória. Só conheciam essa via. Dizem que a "estória" é verídica.
    Eu acredito que sim.
    Lembro-me dos kamikazes da 2ª guerra mundial.
    Lembro-me dos suicidas que metem uma bomba num casaco e se detonam, morrendo pela honra.
    Independentemente de tudo, de ser bom ou mau, é na honra que assentam os principios da vitória.
    Infelizmente os jogadores do Sporting há já muito tempo que não vêm o filme...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Travenca,

      Esses guerreiros do "300", os espartanos, tinham um grande líder que os comandava.

      Os kamikazes e outros suicidas, a mesma coisa (mesmo que isso envolvesse lavagem cerebral), nem que fossem líderes "espirituais".

      É preciso dizer mais ?

      Os jogadores do Sporting não têm líder, porque para começar, nem o próprio clube tem um líder. É nesse ponto fundamental que começa a balburdia que existe no Sporting.

      SL

      Eliminar
  2. Caros Travenca e José Duarte,

    Que mais dizer em cima dos vossos comentários, do que classificá-los de perfeitos?!...
    Ao escrever o artigo e perante a fraqueza do líder actual do Sporting, vieram-me à memória "Os Lusíadas" (Canto III, 138), em que Luís Vaz de Camões nos fala da "fraqueza do nosso rei D. Fernando, brando, remisso e sem cuidado algum, que pôs o reino em muito aperto". Porque Godinho Lopes, também brando, remisso e sem cuidado algum, estará com a sua egocêntrica teimosia a colocar o "reino do Leão" em muito aperto.
    Os vossos comentários falam, além da falta de liderança, da honra que os "guerreiros" deveriam exibir, mas será que à "sociedade de nações" que GL permitiu que fosse construída, se poderá falar da honra de envergar a "gloriosa camisola de listas verde e brancas"?! E será que "os condestáveis" que escolheu, alguma vez souberam explicar-lhes o significado do "quadrado" que nos salvou a independência em Aljubarrota?! Ou alguma vez revelaram conhecimento e vontade de aglutinar nas nossas hostes a juventude e o talento da "ala dos namorados" que vai brotando em Alcochete?!... Não amigos, nada disso estará ao seu alcance! Por isso vamos vivendo o desespero de uma eventual chegada dos "filipes" - já andou por lá um!... - até ao dia em que os sportinguistas acordem e atirem os "miguéis de vasconcelos" pela janela abaixo! E como eles serão tantos !!!...

    Um forte abraço aos dois e esperançosas Saudações Leoninas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Godinho Lopes tem medo de sair e de se vir a saber os podres da dinastia Roquette & Croquete.
      Não é lider, não tem qualquer capacidade para tal e isso é tão óbvio que apenas um louco poderá ter votado nele.
      Infelizmente isto é Portugal, país de brandos costumes, carneiros que se seguem uns aos outros, ordenados pela matilha e sem vontade.
      Sou, serei e morrerei do Sporting.
      Este é o único facto do que qual tenho a certeza.
      Vamos ver é se o Sporting não acaba antes de mim.
      Por ora tenho dúvidas da capacidade de regeneração do clube e, num dérbi, estarem 35.000 pessoas é sintomático...
      Julgo que a melhor resposta que se podia dar a esta direcção é ninguém ir aos próximos jogos do clube. Chega de sermos governados pela banca & afilhados.
      Devolvam o clube aos Sportinguistas.
      Se é para acabar, ao menos que acabe com honra!

      Eliminar
  3. Caro Travenca,

    O seu comentário merece-me um rasgado aplauso.
    Eu não seria capaz de dizer melhor. Assim pensa e sente a grande maioria dos sportinguistas. Mas, na minha modesta opinião, o momento actual não será ainda o mais aconselhável a uma tomada de posição firme e decisiva, que só deverá desenhar-se lá para os começos da Primavera. Tenho muitas dúvidas de que a iniciativa, alguma vez possa partir de Godinho Lopes e, a ser assim, pouco mais restará aos sportinguistas mais lúcidos e conscientes, que avançar pela via que em cada dia vai ganhando mais adeptos. Serenamente, prossigamos o caminho do realismo, com atenção mas com inflexibilidade. O Sporting assim no-lo exige!...

    SL

    ResponderEliminar
  4. Para mim, a atitude resignada só vai piorar as coisas. Godinho está agarrado com unhas e dentes a um lugar que não merece (não porque não lhe reconheça sportinguismo, mas porque não é competente) e continua a insistir que nada o demoverá do cadeirão que ocupa com grande orgulho (e grande apoio de quem o ali colocou - os afinadores e o BES). Só me faz lembrar da expressão popular "A ver vamos, dizia o cego, e cada vez via menos". Os sportinguistas que apoia ou demonstram total resignação para com esta direção (sem rumo alum), ou estão pagos (o que significaria que são corruptos) ou estão cegos!

    Com tristeza,
    Manuel Dos Santos

    ResponderEliminar
  5. Caro Manuel Dos Santos,

    Com o devido respeito pela sua opinião, atrevo-me a acrescentar uma "terceira franja" de sportinguistas, às duas que enuncia: os conscientes do dramatismo da situação do clube, mas que entendem que qualquer acção imediata e precipitada poderia acarretar mais prejuízos que benefícios para o Clube.
    A época estará, provavelmente de forma inapelável, completamente perdida. Nesta condição e tendo em conta que, a quem lhe comeu a carne caberá também comer os ossos, a prorrogação do "prazo de validade" do mandato de Godinho Lopes por um espaço temporal de mais três ou quatro meses, trará sempre o benefício de aclarar uma série de anunciadas intenções - passiveis ou não de serem efectivadas, mas que terão de ser sempre obrigatoriamente aclaradas! -, sem que isso colida com a atempada preparação de uma nova época, conforme a decisão soberana dos sócios do Sporting, seja por via da destituição em AG dos actuais Corpos Sociais e a concomitante antecipação de eleições, seja pela continuação de Godinho Lopes.
    Em qualquer dos casos, pessoalmente, situo-me nesta terceira via de sportinguistas que entende não ser chegado ainda o momento das grandes decisões. O que jamais significará aquela resignação que disse pensar existir em muitos sportinguistas. O uso da inteligência em vez da obediência a impulsos, sempre foi gerador de muito maiores probabilidades de êxito.

    Com convicção e esperança, Saudações Leoninas.

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE